Espetáculo

O som de Billie Holiday

Musical em cartaz na Caixa Cultural retrata a vida e a obra de uma das principais cantoras de jazz dos Estados Unidos

00:00 · 16.05.2018 por Roberta Souza - Repórter
Canções como "Strange Fruit" e "Sophisticated Lady" foram as mais desafiantes, segundo a intérprete ( Fotos: Andrea Rocha/Marcus Gullo )

Eleanora Fagan Gough era uma garota negra e pobre dos Estados Unidos nas primeiras décadas do século XX, estuprada aos onze anos, prostituída aos quatorze e iniciada em drogas pesadas aos 17, mas que tinha um timbre de voz capaz de imortalizá-la mesmo tendo falecido tão cedo, aos 44. Mais conhecida pelo nome artístico, Billie Holiday, ela tornou-se uma das principais representantes do jazz, e sua história será recontada no palco da Caixa Cultural Fortaleza, por meio do musical "Amargo Fruto - A vida de Billie Holiday", em cartaz de 17 a 20 de maio.

A atriz Lilian Valeska é quem dá vida e voz a cantora, interpretando 19 canções que marcaram a obra de Billie. Convidada para o papel pouco mais de um mês antes de subir ao palco, ela se viu diante de um grande desafio, afinal não sabia inglês tampouco conhecia a funda a obra da protagonista. "Eu não tinha muita intimidade com o trabalho, com a trajetória, com a vida da Billie. Sempre fui uma cantora preta bem brasileira. Tinha influências norte-americanas, porém mais modernas, e esse convite veio acompanhado de um turbilhão de informações e vivências", conta a atriz.

Músicas

Durante o processo de estudo, Lilian encontrou dificuldades que só uma audição atenta das canções de Billie a ajudaram a superar. Billie cantou a tristeza, a derrota, a tragédia do racismo e os amores impossíveis. "Busquei ouvir para tentar me assemelhar ao que ela estava sentindo. Ela mastiga muito as palavras, tem uma interpretação única, um timbre difícil. Fui desistindo dele e tentando pegar o sentimento: tristeza, rancor, deboche. Tentei me espelhar, me aprofundar nisso", destaca. As aulas de inglês com uma cantora de jazz também facilitaram esse percurso. "Ela me explicava o sentido da estrofe, da palavra utilizada", completa.

Canções como "Strange Fruit" e "Sophisticated Lady" foram as mais desafiantes, segundo a intérprete. Outras como "Good Bless The Child" deixaram-na mais à vontade desde o princípio. Três anos depois de circular com a peça, ela já se sente bem mais confortável com as canções, que são tocadas ao vivo pelo trio básico do jazz: piano, baixo e bateria, mais sax tenor. A direção musical é de Marcelo Alonso Neves.

Estrutura

Dirigido por Ticiana Studart, o espetáculo não segue uma ordem cronológica. "Ele vai e volta", como observa Lilian. Ora, a atriz narra a história de Billie, ora vive, representando algumas das situações que ela vivenciou, tudo intercalado pelas 19 canções selecionadas. Milton Filho e Vilma Melo completam o elenco, cantando e interpretando diversos personagens que influenciaram a vida da cantora.

Algumas contradições na história podem ser observadas por espectadores atentos. "Ela tem duas biografias e uma contradiz a outra", recorda Lilian. Nada mais humano do que a contradição, afinal. Lilian diz se identificar com a cantora em muitos aspectos, inclusive com o preconceito sofrido pela cor. A questão da ancestralidade também pesou nesse processo de identificação.

"A Billie era uma mulher de resistência a maus tratos humanos, sociais, e ela acabou se degradando por conta disso", lembra. A cantora morreu de edema pulmonar e insuficiência cardíaca causada por cirrose hepática, em 17 de julho de 1959. Estava sob a guarda da polícia no leito de morte, pois havia recebido ordem de prisão por posse de drogas.

Para Lilian, essa é uma história que não precisa se repetir. "Isso é muito corriqueiro. A gente observa isso na história dela e de outras divas norte-americanas. É muito triste e temos que fazer com que isso não volte a acontecer, destacando o valor que a gente tem, nossa autoestima", finaliza.

Mais informações:

Musical "Amargo fruto - A vida de Billie Holiday", na Caixa Cultural Fortaleza (Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema), de 17 a 20 de maio de 2018.Horários: quinta, às 20h | sexta, às 20h | sábado, às 20h | domingo, às 19h. Duração: 90 minutos. Classificação indicativa: 12 anos. Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Roteiro musical

01. They Can't That Away From Me (George Gershwin / Ira Gershwin)

02. Good Bless The Child (Billie Holiday / Arthur Herzog Jr )

03. Dream A Little Dream Of Me (Gus Kahn / André Fabian / Schwandt Wilbur)

04. Let's Do It (Cole Porter)

05. Speak Low (Kurt Weill / Orgden Nash)

06. That Jungle Jamboree (Duke Ellington)

07. All Off Me (Gerald Marks / Seymour Simons)

08. Lady Sings The Blues (Billie Holiday / Herbie Nichols) ?

09. Motherless Child (William E. Barton)

10. Strange Fruit (Lewis Allan)

11. Embreceable You (George Gershwin / Ira Gershwin)

12. Don't Explain (Billie Holiday / Arthur Herzog Jr.)

13. Good Morning Heartache (Irene Higginbotham / Ervin Drake / Dan Fisher)

14. Fine And Mellow (Billie Holiday)

15. Sophisticated Lady (Duke Ellington / Irving Mills)

16. Night And Day (Cole Porter)

17. Blue Moon (Richard Rodgers / Lorenz Hart)

18. I'm A Fool To Want You (Frank Sinatra / Jack Wolf / Joel Herron)

19. Summertime (George Gershwin)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.