Música

O cortejo da vitalidade

Lançando seu excelente disco de estreia, Capotes Pretos na Terra Marfim fazem show no projeto Quinta Acústica, do Sesc

00:00 · 12.02.2015
Image-0-Artigo-1796697-1
A banda Capotes Pretos na Terra Marfim: álbum será lançado no Teatro Sesc Emiliano Queiroz

A ideia por trás do disco "Capotes Pretos na Terra Marfim" é simples: mostrar qual é, de maneira clara, a proposta da banda homônima. Quem garante é Moisés Filipe, um dos cinco integrantes do grupo que lançou seu EP de estreia, "A Casa", há dois anos. Eles levaram a sério a tarefa de criar essa carta de intenções que é o álbum.

Com 10 faixas autorais, o primeiro álbum dos Capotes Pretos na Terra Marfim foi produzido por Igor Miná, do Mocker Studio. O processo de gravação demorou cerca de cinco meses - trabalheira que salta à vista no passeio pelas músicas. O som é uma versão à brasileira do folk, das margens contemporâneas do country e do rock independente. E, por estranho que pareça, nessa amálgama, propositadamente imprecisa, ainda se ouve ecos (inconscientes talvez) de pós-punk, pós-rock, de ska,...

As canções do grupo têm força própria e vitalidade de quem se dedica ao palco. O disco dos Capotes é uma boa mostra de quão importante é caprichar nos registros. As canções da banda se beneficiaram de uma produção esmerada. Sem ela, seria difícil entender com perfeição a proposta do grupo.

Expansão

O instrumental foge ao tradicional baixo, bateria e guitarra/violão. Ou melhor: o expande. Metais e instrumentos de corda de toda ordem são introduzidos nas canções e soam como estas precisassem deles e os exigissem. A execução do quinteto prima pela equilíbrio, para que cada coisa tenha seu espaço, para que cada som assente com perfeição na música. O resultado é um som complexo, rico, sem se perder para o hermetismo.

Exemplo disso é a balada "O que você espera?". Ela cresce como um cortejo, com novos sons, outros que estavam lá, mas não haviam sido percebidos ainda, uns inesperados (a guitarra distorcida, a percussão que introduz o peso à canção). Arranjada dessa forma, convida a uma nova audição mal findam seus 4 minutos de duração. É um fim (ou quase isso) de ares épicos e um tanto melancólico para um disco que começa bem, com a dançante "Terra Marfim" e a ensolarada "Traços simples" (já registrada no EP).

Com o disco, os Capotes mostram que são uma banda acima da média e que merecem uma apreciação atenciosa, como foi o processo de criação. O disco será lançado hoje, às 20 horas, no projeto Quinta Acústica, do Teatro Sesc Emiliano Queiroz.

Disco

Capotes Pretos na Terra Marfim

Mocker
2015, 10 faixas
R$ 15

Mais informações

Show de lançamento do disco "Capotes Pretos na Terra Marfim". Às 20 horas, no Teatro Emiliano Queiroz - Sesc Fortaleza (Av. Duque de Caxias, 1701 - Centro). Ingressos: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Contato: (85) 3452.9066

Dellano Rios
Editor de Área

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.