Música

Nos passos do jazz-fusion

A sonoridade de Chick Corea, criador do grupo "Return to Forever", será revisitada pelo pianista Edson Távora

00:00 · 22.09.2017 por Iracema Sales - Repórter
Image-0-Artigo-2299913-1
O pianista Edson Távora (de colete) e a banda que o acompanha no tributo de amanhã (23)

O pianista Edson Távora Filho sobe ao palco do Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB) neste sábado (23), às 19h, para apresentar o show "Tributo a Chick Corea e ao Return to Forever". Em clima de "revival", durante uma hora, o instrumentista promete fazer um passeio pela sonoridade do grupo, que ganhou notoriedade na década de 1970. Criado pelo pianista e tecladista norte-americano Chick Corea sua música influenciou várias gerações de músicos, em especial a dos anos 1980, explica Edson Távora. "O Return to Forever" acompanhava Chick Corea e durante sua atuação teve diversas formações. A primeira contou com o compositor, percussionista e baterista brasileiro, Airto Moreira, e a cantora carioca Flora Purim, que serão relembrados no show.

No repertório do tributo, Edson Távora interpretará canções que encantaram músicos durante os anos 1970/1980. Entre outras, "Spain", "La fiesta", "Cristal silence" e "Light as a feather", incluindo até samba. O pianista será acompanhado pelos músicos Jerônimo Neto (baixo acústico), Iann Calíope (flauta), Jorge Matteus Doudement (saxofone), Vitório Cavalcante (bateria) e Anna Canário (vocais). Ela relembrará a passagem de Flora Purim pelo "Return to Forever" com as músicas "500 miles high" e "You're everything".

Para criar a ambientação da época e reproduzir a sonoridade típica do jazz-fusion, Edson Távora tocará em um piano elétrico acústico da marca Fender-Rhodes - o mesmo tocado por Chick Corea na época do Return fo Forever.

"O instrumento foi cedido pelo músico Rafael Maia", agradece o pianista cearense. O grupo serviu de escola para muitos músicos que enveredaram para o estilo jazz-fusion.

O jornalista Dalwton Moura, idealizador e produtor do projeto "Jazz em Cena", criado há seis meses, no bojo do Ceará Jazz Series, lançado há dois anos, adianta que a novidade do show é apresentar, pela primeira vez, um dos representantes da corrente jazz-fusion, em especial, nos anos 1970.

Em outros shows do projeto, que acontecem durante dois sábados de cada mês, foram realizadas releituras de clássicos do jazz dos anos 1930 até 1960.

A próxima apresentação, no dia 7 de outubro, enfocará a questão de gênero no jazz, adianta Dalwton. A homenageada será a cantora Rosa Passos. "Nossa intenção é abrir o debate sobre a presença de mais mulheres no jazz instrumental", completa. O jornalista festeja a receptividade do fortalezense com o jazz, assegurando que "há um público muito expressivo", acrescentando ser possível ouvir esse gênero musical quase todos os dias da semana, em várias casas da Cidade.

O pianista cearense, que também faz parte da geração embalada pelas criações de Chick Corea, ressalta a sua versatilidade sonora, ao aliar técnica e precisão, abrindo possibilidade a improvisações. "Todo músico gosta de improvisar", assegura o pianista, fazendo referência ao gênero jazz-fusion, desenvolvido pelos músicos do "Return to Forever". O jazz-fusion marca a saída do jazz do formato mais tradicional, abrindo novos horizontes para o estilo que teve origem nas canções de trabalho dos escravos americanos.

"Toquei muito o repertório do 'Return to Forever' com músicos de Fortaleza", recorda-se Edson Távora, enfatizando a forte relação do grupo com a música latina, em especial a brasileira.

Dalwton chama a atenção para a influência de Chick Corea na música de grupos locais, como as bandas Officina e Bodega. Muitos dos integrantes tentavam tirar as músicas de ouvido. Não havia partitura ou vídeo-aula como atualmente, atenta o jornalista, informando que grupo de Chick Corea foi fundado em 1972, tendo gravado vários discos e mantido como integrantes sempre presentes Chick e o baixista Stanley Clarke.

O saxofonista e flautista Joe Farrel completava a lendária banda. O show homenageia os 45 anos de criação do grupo e também lembra a presença de Chick Corea no Brasil, como atração confirmada para a filial do clássico clube de jazz Blue Note, aberta no Rio de Janeiro.

Mais informações:

Edson Távora apresenta tributo a Chick Corea. Neste sábado (23), às 19h, no CCBNB (Rua Conde D'Eu, 560, Centro). Gratuito.

Contato: (85) 3209.3500

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.