Cidade

Literatura e loucura

O roteiro do Percursos Urbanos deste sábado (12), que sairá às 15h, do CCBNB, passará pelos hospitais psiquiátricos

00:00 · 12.08.2017 por Iracema Sales - Repórter
Em sentido horário: Machado de Assis, estátua do poeta Bispo do Rosário e Lima Barreto. Todos, em algum momento, abordaram a temática da loucura

Projeto cultural consolidado na cidade, o Percursos Urbanos deste sábado (12) abordará a relação entre literatura e loucura na esteira da legislação antimanicomial (Lei 10.216/2001), que trata sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais.

Ao longo do trajeto - a saída está marcada para 15h, do Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB) - serão lidos textos de autores que vivenciaram experiências em hospitais psiquiátricos, caso dos escritores Stela do Patrocínio, Maura Lopes Cançado e Lima Barreto. Além de outros que apenas abordam o tema em suas obras, no universo da ficção, a exemplo do livro "O alienista", de Machado de Assis.

As artes plásticas também entram no roteiro do passeio, garante a mediadora, professora Daniele Barbosa Bezerra, doutora em Educação e mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Os interessados devem fazer as inscrições no endereço: tinyurl.Com/percursosurbanos ou se dirigir à recepção do equipamento, a partir das 10h, neste sábado.

Daniele Bezerra lançará mão de trechos de obras do escritor carioca Lima Barreto (1881- 1922) e da poetisa Stela do Patrocínio (1941-1997), que passou 30 anos internada na Colônia Juliano Moreira, localizada no bairro Engenho de Dentro, Rio de Janeiro. E, também, da mineira Maura Lopes Cançado (1929-1993).

Todos os três escritores estiveram internados e receberam laudos atestando transtornos mentais, explica a professora, afirmando que existem muitos outros casos de autores nesta situação. Obras dos artistas plásticos Vincent Van Gogh (1853- 1890) e de Arthur Bispo do Rosário (1909-1989) serão apresentadas no percurso.

O objetivo é estabelecer uma relação entre a literatura e a luta antimanicomial, reitera Daniele Bezerra. A professora considera a literatura instrumento de transformação, que permite levar o leitor à reflexão, além de assumir formas de crítica e denúncia social. Ela compara os hospitais psiquiátricos a campos de concentração, admitindo que os pacientes perdem a voz ao cruzar seus portões.

Paradas

Enquanto a professora aborda o tema através de depoimentos de vida, em forma de prosa ou verso, os participantes passarão por algumas instituições psiquiátricas, localizadas em diferentes bairros de Fortaleza. Na rota, estão os hospitais São Vicente de Paulo, na Parangaba, um dos mais antigos da Cidade; Messejana e Nosso Lar, na Avenida Carapinima.

O passeio termina às 18h30, no Ateliê da Sil, Praia de Iracema, para bate papo com dois autores do documentário sobre a vida e a obra de Arthur Bispo do Rosário, informa a professora. O artista também esteve internado na Colônia Juliano Moreira.

Sua incursão pelo universo da arte - antes era considerado louco - deve-se ao trabalho da psiquiatra Nise da Silveira (1905-1999), pioneira na defesa da humanização dos hospitais psiquiátricos. Muitos pacientes da Juliano Moreira descobriram seu talento para as artes no ateliê criado pela médica, natural de Maceió.

Alguns apresentavam aptidão para as artes plásticas, outros se identificavam com a escrita, caso de Stela do Patrocínio. "Sua expressão era pela palavra", destaca Daniele Bezerra, acrescentando que a ideia é propiciar uma leitura acerca desse repensar sobre a saúde mental no Brasil.

"A proposta é dialogar com o público e abordar a lei antimanicomial. Acreditamos que a questão da saúde mental está muito aquém no País, sedo ainda muito marginalizada", avalia a professora.

Ela revela que muitos dos textos selecionados para o passeio são autobiográficos, citando os casos de Maura Cançado e Stela do Patrocínio - ao contrário da obra "O alienista", de Machado de Assis (1839- 1908), na qual o autor fica no campo da ficção, no sentido de que sua narrativa não parte de fatos reais.

Mais informações:

Projeto Percursos Urbanos. Neste sábado (12), a partir das 15h, com saída do CCBNB (Rua Conde d'Eu, 560, Centro. Gratuito. Contato: (85) 3209.3500

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.