Exposição

Gerdau, o construtor de um império multinacional

01:06 · 02.05.2012
O imigrante Johannes Gerdau lançou as bases para o que se tornaria um dos maiores grupos econômicos do País
O imigrante Johannes Gerdau lançou as bases para o que se tornaria um dos maiores grupos econômicos do País ( fotos: Rodrigo Carvalho )
A ousadia são marcas da história dos empreendedores da família Gerdau- Johannpeter
A ousadia são marcas da história dos empreendedores da família Gerdau- Johannpeter ( )
No ramo siderúrgico, eles são os maiores produtores das Américas
No ramo siderúrgico, eles são os maiores produtores das Américas ( )
De uma pequena fábrica de pregos no Rio Grande do Sul, Johannes Gerdau transformou a empresa na maior da América

Com quase 70 empresas, entre usinas siderúrgicas, unidades de transformação, corte e dobra de aço e escritórios, o Grupo Gerdau está presente em países como EUA, Canadá, Chile, Uruguai e Argentina. É, hoje, o maior fabricante de aço do continente americano.

A transformação da fábrica de pregos do Rio Grande do Sul, quando fundada há pouco mais de um século, em um dos maiores empreendimentos brasileiros de caráter multinacional é consequência do ideal de um homem: Johannes Heinrich Kaspar Gerdau (1849 - 1917) - ou, de maneira mais simples e brasileira, João Gerdau. Ele é um dos 24 personagens célebres que integram a mostra "Pioneiros & Empreendedores", coordenada pelo pesquisador Jacques Marcovitch, em cartaz no Espaço Cultural Unifor até o dia 13 deste mês.

João Gerdau nasceu na Prússia, filho de pais camponeses. Chegando ao País em 1869, João instalou-se na recém-criada colônia de Santo Ângelo. Primeiro, tentou a vida como comerciante, com uma casa de secos e molhados; depois, investiu no ramo imobiliário.

Indústrias

Após a mudança da família para Porto Alegre no início do século XX, João comprou uma fábrica de pregos à beira da falência, a qual entregou para o filho Hugo Gerdau; e outra de móveis, em 1907, entregue ao outro filho, Walter Gerdau.

Foi de Hugo que Curt Heinrich Paul Johannpeter herdou o nome e os negócios. Inspetor do Banco Alemão Transatlântico e casado com Helda, neta de João Gerdau, ele deu início a uma expansão dos negócios da família.

As fábricas, já bem sucedidas, foram o ponto de partida para um empreendimento ainda maior. O primeiro grande passo foi a compra da Siderúrgica Riograndense S.A., o que eliminou a necessidade de importar produtos para a fabricação dos pregos.

Em 1955, o grupo Gerdau-Johannpeter começou as obras da segunda siderúrgica e a expansão dos negócios para São Paulo e Recife. Em 1980, a produção anual já era de 670 mil toneladas de aço. Foi nesta mesma década que a Gerdau começou sua a levar seus negócios para o exterior, ao adquirir uma siderúrgica no Uruguai. Em 1989, foi a vez do Canadá, seguido do Chile, 1992, Argentina, 1997, e dos Estados Unidos, em 1999 - onde adquiriu a AmeriSteel, segunda maior produtora do ramo no país.

Neste mesmo ano, a empresa firmou-se definitivamente como uma das mais importantes multinacionais de origem brasileira, com 172 mil ações negociadas na bolsa de Nova York, com valorização de 27% acima do preço inicial.

Mais informações:

Exposição "Pioneiros & Empreendedores". Até 13 de maio, no Espaço Cultural Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz). De terça a sexta, das 8h às 18h; sábados e domingos, das 10h às 18h. Entrada e estacionamentos gratuitos. Contato: (85) 3477.3319

FÁBIO MARQUES
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.