FESTIVAL

Espalhado pelas capitais

O Garage Sounds acontece neste sábado (10), em Fortaleza, e estende a programação para outras cidades

A banda paulista Glória (acima) e os mineiros da Pense (abaixo) são duas das 12 atrações nacionais de mais uma edição fortalezense do festival Garage Sounds
00:00 · 09.03.2018 por Felipe Gurgel - Repórter

O festival Garage Sounds, de bandas independentes, chega à segunda edição fortalezense neste sábado (10). O evento acontece na Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Praia de Iracema), a partir das 15h, e reúne 27 bandas e artistas solo. Dentre as atrações nacionais, o Garage traz a Fortaleza nomes como o Scalene (DF, vice-campeão do reality show "Superstar", da TV Globo, em 2015), Merda (ES, que se junta à cearense Facada no palco), Pense (MG), Camarones Orquestra Guitarrística (RN), além dos veteranos do Gangrena Gasosa (RJ, a banda se apresenta fechando a programação do Palco Garage Sounds).

A última edição do evento, no dia 6 de janeiro passado, aconteceu com uma programação exclusiva de bandas cearenses. Para este sábado, das 27 atrações, 15 são locais. Veteranos da cena de Fortaleza, como o Dago Red (25 anos de estrada) e o Plastique Noir (12 anos), abrirão os shows do Palco Hey Ho. Além deste, o evento contará com mais dois palcos, funcionando em esquema de revezamento dos artistas: Garage Sounds e Granada Discos.

Criado em 2017, o Garage Sounds tem ampliado seu raio de ação para outras regiões do Norte e Nordeste, sem perder sua base em Fortaleza. Nesta sexta (9), o festival acontece no Baile Perfumado, no Recife (PE), com a presença dos cearenses do Selvagens à Procura de Lei, os veteranos do Fresno (RS) e Dead Fish (ES), além de uma série de bandas locais.

Ainda em paralelo ao Garage Sounds fortalezense, o festival acontecerá também no estádio Arena das Dunas, em Natal (RN), neste domingo (11). A programação, com exceção das bandas potiguares, é similar à edição pernambucana, incluindo o Selvagens à Procura de Lei (CE). Em Manaus (AM) e Belém (PA), o evento será realizado nos próximos dias 6 e 7 de abril, respectivamente.

Segundo Leonardo Kenji, produtor do Garage e vocalista da banda Minerva (CE), a realização do festival em outras cidades é resultado da articulação entre a organização local e produtores envolvidos com a cena independente de cada uma dessas capitais.

"Em cada cidade, a gente tem uma equipe de produção local. Às vezes, o produtor de lá já tinha levado minha banda pra tocar na cidade dele, e vice-versa. São pessoas que conseguimos contato fazendo o 'network'. Em todas essas cidades, nota-se a preferência do público, normalmente, por bandas de fora", situa Kenji, sinalizando como as cenas de Fortaleza, Natal, Recife, Manaus e Belém estão, nesse sentido, "no mesmo barco".

Edição passada

Indagado sobre como foi a experiência de contar com uma programação exclusiva de bandas locais na edição passada do Garage Sounds, em janeiro, Leonardo Kenji observa que a estratégia faz parte de uma ideia de sensibilizar o público fortalezense.

"Essa questão das bandas locais é meio que uma aposta do festival. Como a gente já sabe, tem um histórico do pessoal não valorizar muito as atrações da própria cidade. E queremos nos organizar para, dentro do nosso orçamento, mostrar essa produção. Grande parte dos eventos da cidade só se preocupa em trazer artistas que estão na moda e vender o ingresso. Queremos revelar novos talentos e fazer a festa com eles", coloca Kenji.

Formato

A cada edição, o Garage Sounds tem variado o número de palcos. Nesta, são três. Em julho de 2017, foram cinco. Kenji observa que a organização tenta manter um festival dinâmico e cada evento tem sua "personalidade". "A gente conta com essa surpresa. Cada edição tem uma cara. Dessa vez, estamos fazendo em cinco estados. Todos com dois palcos reunindo uma maioria de bandas locais, e um que se concentra mais nas bandas de fora", detalha o produtor.

Além da programação dos palcos, o festival está mais incrementado de atividades além da música. Nesta edição, a organização promove o "Garage Geek", uma área com videogames e diversos atrativos da cultura nerd; somada à oferta de foodtrucks e à "Galeria GS" (loja e stands de produtos variados).

Kenji observa que o formato, comum, inclusive, a festivais bem maiores, como o Rock In Rio, compõe a amplitude da festa. "A gente aposta em tudo que envolve o festival. Buscamos o entretenimento da festa mesmo", aponta.

Escalação

Para este sábado, o produtor revela que a organização pensou em diversos critérios para montar a programação. O Gangrena Gasosa (RJ), por exemplo, apesar do reconhecimento no cenário independente, ainda não tinha muita força para chegar nas regiões Norte e Nordeste.

Já o Scalene (DF) - e seu currículo de passagens pela TV Globo e premiação no Grammy Latino - carrega um apelo midiático.

"E a gente observa o cenário nacional, pra ver as bandas que tentam circular realmente. Às vezes você tem uma banda massa, e não vê esse esforço", avalia Kenji.

Programação

Palco Garage Sounds

16h - Violência Moral (SP)

17h10 - Pense (MG)

18h40 - Camarones Orquestra Guitarrística (RN)

19h40 - Glória (SP)

21h - La Raza (SP)

22h - Scalene (DF)

23h30 - Project 46 (SP)

1h - Deb and the Mentals (SP)

2h10 - Gangrena Gasosa (RJ)

Palco Hey Ho

15h - Dago Red (CE)

16h20 - Plastique Noir (CE)

17h40 - Berg Menezes (CE)

19h - Aloha Haole (PI)

20h20 - Damn Youth (CE)

21h40 - Astros de Netuno (CE)

23h - Cadu Pelegrini (SP)

0h20 - Ouse (CE)

1h40 - Lowelldive (CE)

Palco Granada Discos

15h40 - Cadibode (DF)

17h - Merda (ES) + Facada (CE)

18h20 - Sulamericana (CE)

19h40 - Fist Banger (CE)

21h - Reite (CE)

22h20 - Canil (CE)

23h40 - Síncope (CE)

1h - Voris Vulgar (CE)

2h20 - The Knickers (CE)

Mais informações:

Festival Garage Sounds. Neste sábado (10), a partir das 14h, na Praça Verde do CDMAC (R. Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema). Ingressos: R$ 100 (inteira) e R$ 50 + doação de um livro usado (meia entrada social). Contato: (85) 99868.9843 ou garagesounds.com.br

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.