Teatro

Entre o amor e a exclusão

Espetáculo "O voo das borboletas" está em temporada em Fortaleza no mês de outubro

No espetáculo "O voo das borboletas", três mulheres tentam sobreviver num cenário de dor e submissão ( Fotos: LIÉZIO GOMES/Divulgação )
00:00 · 13.10.2017 por Roberta Souza - Repórter

Três mulheres, um cativeiro e a dúvida constante sobre quem é vítima ou algoz. Esse é o fio condutor do espetáculo "O voo das borboletas", montado pela Introspectus Cia. De Teatro, e em temporada neste mês de outubro em dois locais de Fortaleza: o antigo Restaurante Sobre o Mar D'Iracema, na Praia de Iracema, e o Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa. O texto, escrito na década de 90 pelo pernambucano Ivan Antônio, que é ator, diretor teatral e dramaturgo, nasceu do convívio dele com ex-presidiárias a quem ministrava oficinas em São Paulo.

A montagem realizada aqui, onde Ivan tem uma das principais "discípulas" de seu método de trabalho, a atriz Márcia Ribeiro, é uma espécie de celebração da parceria de quase duas décadas. "Conheci Ivan em janeiro de 1998, quando ele estava iniciando a pesquisa do que viria a se tornar 'O Teatro da Solidão Solidária'. Naquele período, convivíamos em oficinas com a presença de pessoas de diferentes segmentos sociais, revelando talentos que até então elas não sabiam que tinham", conta Márcia.

Método

A pesquisa de Ivan tem como objetivo entender a solidão de homens, mulheres e crianças em situação de extrema exclusão social. Para aproximar-se disso, ele já dormiu na rua por diversas vezes e em diferentes países; já conviveu com refugiados na Europa, tribos indígenas no Brasil e nativos Cherokees no EUA. O método do "Teatro da Solidão Solidária", como decidiu conceituar o dramaturgo, deu origem a textos como "O voo das borboletas", "Um sanatório para Freud" e "A canção dos condenados", todos parte da chamada "Trilogia da Dor".

"Para entender como se elaborava essa solidão das pessoas excluídas, também ministrava aulas na Febem e em presídios. A partir do momento em que esses presidiários conseguiam liberdade, eles iam direto estudar comigo nos núcleos do teatro da solidão solidária, em São Paulo", conta Ivan, que sempre teve uma preocupação de ressocialização a partir do teatro com ex-detentos e moradores de rua.

"Nas oficinas, conviviam pessoas de diferentes perfis, incluindo empresários, psicólogos, médicos, professores. E alguns preconceitos iam sendo desconstruídos ao longo do processo", lembra.

Fortaleza

O último laboratório realizado por Ivan, encerrando sua pesquisa, foi aqui em Fortaleza, em maio deste ano, onde também dormiu na rua. Com Márcia à frente da Introspectus Cia. De Teatro desde 2010, a continuidade do seu método está assegurada. Não só aqui, mas também em outros estados, como São Paulo, Bahia e Pernambuco, e até países, como Estados Unidos e França.

A apresentação de "O voo das borboletas" na capital cearense tem um significado especial para o dramaturgo, já que foi aqui que ele resolveu concluir a pesquisa. "Ouvi coisas extraordinárias de uma moradora de rua daí. Sou muito grato", afirma. A respeito do texto encenado agora em outubro, ele destaca que "a questão principal é a transfiguração do bem e do mal a todo momento. Quem assiste pensa logo que a vítima é apenas a vítima, mas aos poucos percebe que em cada um de nós há um anjo e uma fera; e que, no fim, somos todos iguais".

Márcia, por sua vez, reforça que a experiência com o Método da Solidão Solidária promove mudanças significativas tanto em níveis pessoais como na própria atuação. "As vivências enfatizam a humanidade e a desconstrução de conceitos como certo e errado, bom e mau. Todos nós merecemos outras oportunidades", defende, citando como exemplo a reação das próprias detentas do Instituto Penal Desembargadora Auri Moura Costa.

"Nunca vi uma plateia se divertir tanto em um espetáculo tão denso como vejo elas se divertindo; se identificam, ajudam a gente a atualizar algumas gírias e agradecem por ter alguém preocupado em representá-las aqui fora", conta a atriz, que já vislumbra o processo de ressocialização de algumas delas na Cia Introspectus em breve. Duas das detentas já até auxiliam na maquiagem das atrizes. "Fazemos um trabalho de formiguinha. E como pesquisadores, quando se trata do ser humano, estamos em constante aprendizado", afirma Márcia.

Para Ivan, o método que desenvolveu lhe salvou. "Eu fiz para me curar, para ser mais humano. E toda vez que me deparo com uma situação estressante, utilizo o amor, a ternura e a solidariedade para lidar com a situação", diz. Ver o trabalho seguindo adiante é, portanto, real motivo de comemoração.

Saiba mais

O voo das borboletas

Próximas datas:

Sobre o Mar D´Iracema

Dias: 15, 22 e 29 de outubro de 2017, às 19h; dia 21, às 20h.

Endereço: Avenida dos Tremembés, 02, Praia de Iracema

Classificação indicativa: 16 Anos

Ingresso: R$ 10 (inteira)

Contato: (85) 9 9648.8227

Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa

Dias: 20 e 26 de outubro de 2017

Horário: 10h.

Endereço: Br 116, Km 27, S/N

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.