Matéria-1116998

00:09 · 20.03.2012
Apresentação Sugar Kane ( Fotos: Bebeco/Divulgação )
Show do Dead Fish, que teve ingressos esgotados ( )
Banda vencedora abrirá para o show de 20 anos do Los Hermanos ( )
Cabeleireiro Cláudio Pereira da Silva mantém seu salão em Caucaia ( )
Roger Waters promete um espetáculo grandioso em todos os sentidos ( Foto: Agência Reuters )
Hey Ho, o filme!

Depois do show do Matanza no último sábado, começou a pipocar nas redes sociais que o Hey Ho Rock Bar retomaria as atividades. A coluna apurou e a história não é bem essa... 

A gente até entende a empolgação da galera com o boato. Afinal, a casa, que fechou as portas em 2010, deixa ainda saudades por ter sido reduto da cena independente de Fortaleza. Point de encontro de fãs das mais variadas vertentes do rock, do hard core ao metal, do indie ao hard rock, passaram também pelo Hey Ho bandas de peso nacional e muita gente que estava ainda começando na música autoral.

Em entrevista a Sound, o produtor cultural Rafael Bandeira esclarece o mal-entendido e conta como surgiu o rumor, que culminou no sábado, durante show do Matanza, após polêmico e confuso anúncio feito por Maurílio Fernandes.

"Conversamos sobre isso com o Jimmy [London, vocalista do Matanza], o Maurílio [dono do selo Empire Records e vocalista da Rocca Vegas] e com o Bebeco [sócio de Rafael na extinta casa] sobre uma festa, um show com as bandas que marcaram aquela época do Hey Ho. Mas a conversa ganhou proporções enormes. Foi uma brincadeira que o pessoal levou muito a sério", diverte-se Rafael.

O que está certo, por ora, é o projeto de levar um registro da história dos sete anos do Hey Ho, um dos principais lugares a movimentar a cena rock cearense naquele período. Segundo ele, os recursos para o filme serão captados através de leis de incentivo e editais. "No nosso atual momento, é muito mais fácil fazer um documentário. Já falamos com alguns profissionais do ramo como o Roger Capone (da Plataforma Zero) e o Leonardo Mamede. Iremos levar a ideia adiante", diz o produtor cultural, falando pela primeira vez do longa à imprensa.

Por enquanto, o que está difícil de sair do papel - não pela falta de vontade, mas de tempo dos produtores envolvidos - é a tal festa, com um line-up formado pelas "bandas-amigas", que fizeram parte da história bar. O intuito é que o evento seja também filmado para o documentário.

"O próprio Matanza foi uma banda que criou vínculos, além dos profissionais, com o Hey Ho. Além do quinteto, que fez shows históricos, o Ludov, Dead Fish e Mukeka de Rato são outros grupos em que a relação de amizade ficou. Seria legal reencontrar nesse evento desde os antigos frequentadores aos músicos que tocaram lá. Queremos amadurecer esse projeto, ir com calma até por conta das questões físicas, como a estrutura. Não temos nem palco para um evento desse porte".

Bebeco, que foi um dos donos do Hey Ho, também lembra saudoso do bar. "Era um ambiente de refúgio. A gente fomentava uma cena alternativa. Tem muita história para contar. Eram cerca de 100 shows por ano", conta o empresário e técnico de som.

Fora de cogitação

Quando o assunto é reabertura do Hey Ho Rock Bar, burburinho que bombou nas mídias sociais no último domingo, Rafael Bandeira é categórico: "Não existe possibilidade de reabrirmos. Legalmente, a empresa não existe mais. E tem toda essa questão burocrática. Hoje, estamos envolvidos em outros trabalhos".

Abril Pro Rock

Nos 20 anos do Abril Pro Rock, o festival pernambucano busca um novo nome para fazer parte do seu line-up. A seleção ocorrerá através da segunda edição do Bis pro Rock. A banda vencedora abrirá o show de comemoração dos 15 anos dos Los Hermanos, no dia 20 de abril, no Chevrolet Hall, no Recife, com todas as despesas pagas.

O concurso distribuirá R$ 12 mil em prêmios, incluindo 20 horas de gravação em estúdio para as três bandas finalistas. A disputa será dividida em duas fases: começa com a votação popular e depois passa pela avaliação de uma Comissão Julgadora, que tem a participação do criador e produtor do Abril pro Rock, Paulo André Pires; do músico Roger, do Ultraje a Rigor; do China, músico e VJ da MTV; e do guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser.

A promoção será realizada para bandas de rock formadas por até cinco integrantes. As inscrições podem ser feitas pela fanpage de Bis (www.facebook.com/chocolateBis) até o dia 27 de março. Os grupos devem ser estreantes e não podem ter vínculo contratual com nenhum selo ou gravadora.

Jurado de reality show?

Billy Corgan, do Smashing Pumpkins, surpreendeu os fãs ao dizer que toparia ser jurado de reality shows musicais. "Não tenho problemas com o ´American Idol´ ou ´X-Factor´. Eu tenho um problema quando não são dadas as tonalidades adequadas ao contexto. Se há um ´American Idol´, deve haver uma alternativa que o contraponha", após desistência", explicou.

Curiosidades ´The Wall´ no Brasil

Enquanto a gente conta os dias para Roger Waters chegar ao Brasil, a Sound adianta aqui o que deve rolar nos shows da turnê "The Wall", que começam no próximo dia 25 e vão até 3 de abril. A coluna fará a cobertura do primeiro, que acontece no próximo domingo, em Porto Alegre (no estádio Beira-Rio).

Vindo de apresentações bem-sucedidas na Argentina (só em Buenos Aires foram dez!) e no Chile, o ex-vocalista do Pink Floyd promete um espetáculo diferente e único para os fãs brasileiros. Em entrevista ao "Fantástico", o baixista revelou que o show em São Paulo contará com uma homenagem a Jean Charles de Menezes, brasileiro morto pela polícia britânica no metrô de Londres em 2005. O ato deverá acontecer no final de sua apresentação.

Já no Rio de Janeiro, adolescentes de uma escola da Rocinha devem subir ao palco do Engenhão (no dia 29) para cantar com Roger Waters em "Another Brick In The Wall". De acordo com o jornal O Globo, 15 jovens, de 11 a 17 anos, farão os clássicos vocais do hit, imortalizado no disco "The Wall" (1979).

A produção ao ar livre da turnê "The Wall" na América do Sul será em uma escala nunca antes vista pelo público. Pela primeira vez em toda a turnê, os shows acontecerão em estádios.

Escrito e produzido por Roger Waters, "The Wall" foi apresentado pela primeira vez ao vivo pelo Pink Floyd em 1980, e ainda conta com todos os efeitos especiais criados por ele, incluindo as imagens originais de Gerald Scarfe, o avião batido, o som quadrafônico, pirotecnia, bonecos infláveis gigantescos, porco voador, além de uma tecnologia de projeção mais recente. O muro, claro, não poderia faltar. Nada menos que uma parede de 137 metros de largura, 11 metros de altura e 5,5 metros de profundidade será erguida para as performances.

Antes da turnê de 2010,a mais lucrativa neste ano nos Estados Unidos e na Europa, "The Wall" foi realizada ao vivo pelo Pink Floyd 29 vezes entre 1980 e 1981, como parte de divulgação do álbum homônimo. O show seguinte só aconteceu na Alemanha, em julho de 1990, onde Roger Waters celebrou a queda do muro de Berlim.

"The Wall" recebeu dois prêmios da Pollstar Music Industry Awards, em Los Angeles, nas categorias "Maior Turnê de 2010" e "Produção de Palco Mais Criativa".

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.