Paulo Coelho - Caderno 3 - Diário do Nordeste

COLUNA

Paulo Coelho

caderno3@diariodonordeste.com.br

17.05.2015

Diálogos com o mestre - Parte VII: O trabalho

Continuo a transcrever anotações de minhas conversas com J. Entre 1982 e 1990:

- Você tem procurado me fazer entender que é preciso prestar atenção à vida, as pessoas, a tudo que acontece a nossa volta. E eu tenho a sensação de que tudo que você faz é trabalhar (nesta época, J. Era executivo de uma multinacional holandesa).

- Ao invés de responder diretamente a sua pergunta, prefiro citar um trecho do poeta indiano Rabinranath Tagore: "Eu dormi e achei que a vida era Alegria/ Acordei e descobri que a vida era Dever / Cumpri meu dever e descobri que ele era Alegria". Na verdade, através do meu trabalho eu descubro a vida, as pessoas, e tudo que acontece à nossa volta.

"A única armadilha que preciso me dar conta, é não achar que um dia é igual ao outro. Na verdade, toda manhã traz em si um milagre escondido, e precisamos prestar atenção a este milagre".

- O que é o dever?

- Uma palavra misteriosa, que pode ter dois significados opostos: a ausência de entusiasmo, ou a compreensão de que precisamos dividir nosso amor com mais de uma pessoa. No primeiro caso, estamos sempre dando uma desculpa para não aceitar nossa responsabilidade; no segundo caso, o dever transforma-se em uma espécie de devoção, de amor irrestrito pela condição humana, e passamos a lutar por aquilo que queremos que aconteça.

"Isso eu procuro através do meu trabalho: dividir meu amor. O amor é também uma coisa misteriosa: quanto mais dividimos, mais se multiplica".

- Mas o trabalho, na Bíblia, é considerado como uma espécie de maldição que Deus joga no ser humano. Quando Adão comete o pecado original, escuta do Todo-Poderoso: "em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. No suor do teu rosto comerás o teu pão".

- Neste momento, Deus está colocando o Universo em movimento. Até então, tudo é lindo, paradisíaco - mas nada evolui, e, como acabamos de conversar, Adão passa a crer que um dia é igual ao outro. A partir daí, ele perde o sentido do milagre de sua própria existência; então o Senhor, olhando sua criação, entende que é preciso ajudá-lo a reconquistar este sentido.

"É necessário ler esta frase de maneira positiva: o cansaço virará o sustento, o suor será o tempero do pão. E assim, tudo irá convergir de volta à perfeição, mas antes Adão, e os seres humanos, precisam percorrer o caminho da compreensão mútua".

- Por que um dos grandes sonhos do ser humano é poder, um dia, deixar de trabalhar?

- Porque não sabe o que é ficar meses, anos sem fazer nada. Ou porque não ama o que faz; ninguém deseja separar-se de uma mulher que ama, ninguém quer parar de fazer aquilo que gosta. Ou então porque carece de dignidade quando se propõe a fazer algo - esqueceu que o trabalho foi criado para ajudar o homem, e não para humilhá-lo.

"A esse respeito, há uma interessante história no livro "As 1001 Noites": o califa Alrum Al-Rachid resolveu construir um palácio que marcasse a grandeza de seu reino. Reuniu as melhores obras de arte, desenhou os jardins, selecionou pessoalmente o mármore e os tapetes.

Ao lado do terreno escolhido, havia uma choupana. Al-Rachid pediu ao seu ministro que convencesse o dono - um velho tecelão - a vendê-la, para ser demolida.

O ministro tentou, sem êxito; o velho disse que não queria desfazer-se dela.

Ao saber da decisão do velho, o Conselho da Corte sugeriu que simplesmente o expulsassem do lugar.

- Não - respondeu Al-Rachid. - Ela passará a fazer parte do meu legado ao meu povo. Quando virem o palácio, eles dirão: ele foi um homem que trabalhou para mostrar a beleza de nossa cultura.

"E, quando virem a choupana, dirão: ele foi justo, porque respeitou o trabalho dos outros".

Continua na próxima semana

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999