Coluna

Hermínio Bezerra: O sentido das palavras

frei-herminio

Frei Hermínio Bezerra

caderno3@diariodonordeste.com.br

00:00 · 05.12.2016

Na coluna de hoje indico as palavras: caju; calibre; calombo; cama, com seus vários sentidos; camaleão; cambada, cambão, cambota, camucim e camurupim.

Caju - s. M. Do tupi, aka'ju = caju. É o fruto do cajueiro, árvore da família das anacardiáceas, comum em grande parte do nordeste do Brasil. Desde o início da colonização os cronistas davam informações elogiosas sobre o caju e suas propriedades, pois além da fruta, com a qual se faz a cajuína, temos a castanha, rica em proteínas vegetais e a casca com a qual se faz uma tinta com que os jangadeiros tingem suas vestes e essas ficam muito resistentes à salinidade da água do mar. A notícia mais antiga parece ser a de Gândavo, em seu Tratado da Província do Brasil (1576). Euclides da Cunha faz referências às "chuvas do caju" (Os Sertões, 1902). Cognato: cajuína bebida absolutamente natural feita do sumo do caju; cajuada e cajuí = em tupi o "i" após nome indica o diminutivo. É um pequeno caju - como que uma miniatura - saborosíssimo, com o qual se faz doce e o caju seco.

Calibre - s. M. O termo vem do árabe, kalib = forma de sapato. É usado sempre em referência ao modo comum e habitual de de ser apresentado por uma pessoa, sobretudo no seu aspecto físico: ele tem calibre fraco, ou forte e saudável. Mas usa-se também em referência ao aspecto psicológico: ele tem um calibre sereno ou irritadiço...

Calombo - s. M. Nome de origem africana em várias delas: kiokongo, ambundo e kimbundo, onde se diz kadongo. É um inchaço, caroço, protuberância... Proveniente de uma pancada acidental ou não. Cognatos: catombo, mondrongo, calombamento...

Cama - s. F. Segundo o mais antigo etimologista, santo Isidoro de Sevilha, vem de camis = cama, o mesmo que stratris = estrado, lugar de deitar-se. Mas Adolfo Coelho (1813), faz derivar do latim popular camare = deitar no chão, esdraiar-se , estender-se. No sertão, além do leito de dormir, diz-se "cama" o local onde a rês, o veado... Dormiu no mato, pois a erva fica amassada rente ao chão. Cama-banguê é uma cama feita de couro-cru, comum no sertão antigamente. Eu conheci uma dessas na casa de meus avós.

Camaleão - s. M. Do latim chamaleon = camaleão. O termo designa um lagarto vulgarmente e chamado papa-vento, que com facilidade muda de cor entre beje, amarelo e verde. Por isso, o termo camaleão é usado no sentido figurado para indicar uma pessoa fingida, hipócrita e sem firmeza de caráter, que se adapta facilmente a quaisquer situações mudando de opinião. Camaleão é também a ondulação que se forma na estradas de rodagem não pavimentadas, produzidas pela circulação de veículos.

Cambada - s. F. Do kimbundo kamba = penca, enfiada de coisas... Como: uma cambada de peixe. Quando usado para pessoas - sempre propositadamente - o termo tem conotação depreciativa = corja, súcia. Lembro que há anos um humorista popular usava a expressão: "A cambada do Cambeba"... Domingo Olímpio usa a expressão: "Amarra essa cambada de desordeiros" (Luzia-Homem).

Cambão - s. M. No sertão o termo designa uma peça de madeira composta de três varas que unidas formam um triângulo. Ela é colocada no pescoço que animais invasores de cercas, sobretudo os porcos e dos bodes. O termo é citado por Leonardo Mota em seu livro "Sertão Alegre".

Cambito - s. M. Esse termo pode vir do grego Kampê = curvatura, passando pelo italiano gambetta. É uma peça de madeira ou de ferro, em forma de V (duplo), que através de uma corda se prende nos cabos (dianteiro e traseiro), da cangalha. O cambito serve para carregar lenha, cana, capim... O termo é usado na expressão: perna de cambito = perna fina.

Camboa - s. F. Esso termo é essencialmente na região da praia, para designar um curral de pesca, dos menores e próximos da praia. Muitas vezes ele é montado nos arrecifes costeiros. Na maré cheia o peixe entra e é pescado à medida que a maré vai baixando.

Cambota - s. F. Termo oriundo do grego kampê = camba, curvatura. Essa palavra tem dois sentidos, ambos bem conhecidos no nordeste: a) denomina o indivíduo que tem as pernas arqueadas b) jogar cambota ou dar cambalhota é virar o corpo sobre a cabeça, o que as crianças gostam muito de fazer nos rios e nos açudes cheios.

Cambraia - s. F. Rês animal de pelo inteiramente branco. Eu ouvi muito esse nome, mas sempre referentes ao gado vacum. O termo faz alusão a um tecido desse nome, oriundo da cidade francesa de Cambray.

Campeiro - s. M. A partir de campo = relativo ao campo, que vive no campo. É sinônimo de vaqueiro, cuidador de gado e de animais menores, carneiro e bode.

Camucim - s. M. Do tupi kamu'si = camucim. Vaso de barro em forma de pote, em que os indígenas enterravam os seus mortos, após rituais particulares. A informação mais antiga sobre esse nome está numa carta do padre Nóbrega de 1561. O nosso José de Alencar usou o termo em cinco de seus livros. O nome foi adotado por uma povoação, hoje próspera cidade e porto no norte do Ceará.

Camurupim - s. M. Do tupi kamuru'pi = camurupim. Peixe da família dos megalopídeos, abundante no Brasil. A informação mais antiga sobre ele parece ser a de Gândavo, em História da Província Santa Cruz (1576). Em seguida os principais Cronistas, como Fernão Cardim (1584) e Gabriel Soares de Souza (1587) falam desse peixe. José de Alencar escreveu: "Entretanto Poty do alto da rocha, fisgava camurupim que brincava na pequena baia de mundaú" (Iracema, 1878).

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.