coluna

Frei Hermínio Bezerra: O sentido das palavras

frei-herminio

Frei Hermínio Bezerra

caderno3@diariodonordeste.com.br

00:00 · 04.12.2017

Na coluna de hoje destaco: harmônica; história, com suas várias nuanças; honra, muito importante no sertão; hora; horário, com seu significado especial e específico no interior; horror, cujo primeiro sentido é arrepio; hortaliça e hortelã. Hoje terminamos a letra "H".

Harmônica - s. F. Instrumento musical composto de fole e teclado com poucos baixos. É o precursor da sanfona, a qual além do teclado principal tem outro, só para os baixos. Recebe também o nome de fole, concertina e sanfona. Os tocadores de harmônica são figuras bem conhecidas no interior do nordeste, embora, estejam naturalmente diminuindo.

Heim? - Interj. É uma interjeição interrogativa muito utilizada no meio simples. É usada com várias funções: 1) atender a um chamamento: "Heim, seu manduca? 2) Reforçar uma pergunta: "O que é que você tem, heim? 3) Pedir a repetição de algo que não se ouviu claramente: o quê, heim, seu moço? 4) Manifestar revolta ou indignação pelo que se viu ou ouviu: Heim? Como é essa história? Repita!

História - s. F. Palavra rica de sentidos e de usos. Indica o fato, a realidade. Mas é muito usada também no sentido de mentira: Não pode ser, isso é história! Ou então: "Que história é esta?" "Olhe, conte a história direito!" O termo comparece nas expressões: história fiada; história de pescador; história de alma; história pra boi dormir; história de carochinha; história de Trancoso... Há autores que admitem a diferença entre "estória", na linguagem popular e "história", na linguagem culta. Mas isso é questionado: O grande dicionarista Frei Domingos Vieira, não traz a palavra "estória". Ele põe estori... E informa: As palavras que começam com estori..., busquem-se em história. O VOLP traz o termo, o qual é muito usado, sobretudo na linguagem falada. O dicionarista Cândido de Figueredo diz apenas que "estória" é a antiga grafia de história.

Honra - s. F. É o valor moral, a honorabilidade. Para o sertanejo a honra é um valor importante a ser preservado. O termo aparece em várias expressões: palavra de honra; lavar a honra; por honra da firma e outras. A minha mãe no seu último ano de vida dizia: "Eu só estou vivendo por honra da firma, já não consigo fazer mais nada."

Hora - s. F. Além da indicação de tempo específico, esse termo é muito usado para indicar: ocasião, situação, momento oportuno... Em expressões como: venha com hora = chegue cedo; perder a hora; na hora H = na hora exata; o apertar da hora; pela hora da morte. O sertanejo segue a hora dada pelo galo: no primeiro canto do galo = uma hora da manhã; no segundo canto do galo = duas horas; no terceiro canto do galo = três horas; depois disso, ele fala: no amiudar do galo = quando ele repete seu canto com certa insistência, a partir de quatro para cinco horas. Durante o dia ele se baseia pelo sol: ao nascer do sol; era já sol alto; sol a pino = meio dia; o sol começava a pender; era já sol pendente = depois das três; quando o sol estava se pondo e era já quase o sol posto.

Horário - s. M. Essa palavra tinha um sentido especial em pequenas cidades e no interior. Em Crateús, nos idos de 1950, chamava-se o horário, a chegada do trem que vinha de Fortaleza e chegava entre 16 e 17 horas. A estação ficava cheia de familiares de passageiros, mas também de curiosos, carreteiros, vendedores, etc. No interior, entre Crateús e Quiterianópolis, (naquele tempo, Vila Coutinho), o "horário" era um caminhão que passava pela manhã e voltava de tarde. Era a vida em ritmo pacato.

Horror - s. M. Do latim horror, horroris = arrepio, a partir do verbo latino horrere = arrepiar, como primeiro sentido, em seguida, o que causa susto, espanto, medo, pavor e por isso, causa arrepios. Na linguagem popular o termo é muito usado no sentido de grande quantidade, o que é em demasia. No sertão escuta-se: passou um horror de gente para o cemitério... Ou ainda, faz um horror de anos que isso não acontecia. Segundo o estudioso Tomé Cabral, ainda se usa muito, em Portugal e no sul do Brasil, a forma abreviada "ror", que, aliás, aparece com frequência em palavras cruzadas.

Hortaliça - s. F. Segundo Cândido Figueredo, vem do baixo latim, hortalitia, a partir de horta e de hortuale, sem esquecer hortus = jardim e o diminutivo hortulus = pequeno jardim, todas elas palavras da mesma raiz. Diz-se hortaliça para designar plantas leguminosas e comestíveis que geralmente são cultivadas em hortas. No português antigo havia a palavra hortal, da mesma raiz, que até virou sobrenome de família, comum em Portugal e na Espanha. Esse termo hortal, na língua portuguesa, saiu do uso comum.

Hortelã - s. F. Do latim, hortulana e também hortulana-mentha = hortelã. Erva medicinal de flores roxas, de cujas folhas faz-se um chá medicinal. Lineu classificou-a como da família das labiadas e deu-lhe o nome de: Menthe crispa, segundo Florival Serraine. Cândido Figueredo traz a mesma informação, mas diz que o nome dado por Lineu foi: Menta Viridis. Ela é cultivada tanto em jardins, como em vasos e é muito apreciada, para chás. Bombons de menta são muito usados para a garganta.

Hum! - É uma interjeição expressa em tom ligeiramente gutural. Para pedir repetição: Hum? Para confirmar: Hum hum! Expresso com o segundo "hum" aspirado, de tal modo que soa como: hum rum!

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.