coluna

Frei Hermínio Bezerra: O sentido das palavras

frei-herminio

Frei Hermínio Bezerra

caderno3@diariodonordeste.com.br

00:00 · 04.09.2017

Na coluna de hoje destaco: excomungado; experiência com seus dois sentidos; explicar e Exu, divindade do Candomblé, confundida com o demônio; facada com seus dois sentidos; faceiro, termo usado para animais e para pessoas; facho; facilitar e fado, cuja origem é brasileira.

Excomungado - s. M. Essa palavra eu ouvi muito no sertão, quando criança. Era uma espécie de praga, rogada aos animais que davam muito trabalho. Excomungado significa fora da comunhão, do grupo... Era usada também contra a pessoa que dava muito trabalho, com o mesmo sentido de afastar-se do entendimento do grupo.

Experiência - s. F. Do latim, experientia = experiência, constatação, confirmação. O sertanejo chama "experiência" a observação e análise de certos fenômenos na atmosfera, como a posição da lua, o nascer e o pôr do sol, nas plantas, entre as aves, como a posição da construção da casa do joão de barro, o piado da coruja, o comportamento das formigas, a exposição de pedras de sal ao relento, na véspera do dia de Santa Luzia, a partir das quais o sertanejo prevê o inverno do ano entrante. Comumente denomina-se experiência de chuva. No Livro Terra do Sol, Gustavo Barroso diz: "De novembro a dezembro, na doce esperança de um bom inverno, brocam-se os roçados. E começam as 'experiências', pelas quais o sertanejo ignorante pretende saber se choverá ou não".

Explicar/ explicação - s.M. Do latim explicare = desdobrar, literalmente, abrir, desfazer as dobras... E, por extensão, esclarecer, isto é, explicar em detalhes uma situação, um fato, um caso, um acontecido... Esclarecer o que não se compreende, tirar as dúvidas de uma ação, de um gesto ou de uma afirmação que a pessoa fez ou que lhe é atribuída.

Extraviar-se - vb. É descaminhar-se, perder-se. Isso acontecia no sertão nos tempos de menor população, hoje talvez não mais. O caboclo usa mais arear-se, que ele pronuncia "ariar-se" = desorientar-se. Na selva Amazônica é muito fácil uma pessoa de fora, perder o senso de orientação, já com poucos metros dentro da mata.

Exu - s. M. Divindade do culto nagô-queto. Ele é o mensageiro dos Orixás, preside a fecundidade, as encruzilhadas, os caminhos perigosos e escuros. É capaz de fazer tanto o bem quanto o mal. Cada divindade dispõe de um Exu, ora feminino, ora masculino, que toma nomes diferentes, mas sempre representado por figuras de barro ou em ferro (Cf. Yeda Pessoa de Castro, Falares Africanos na Bahia, Ed ABL (2001) pág. 232). Para alguns autores, como o grande folclorista Câmara Cascudo, Exu é o representante das potências contrárias ao homem. "Os afro-baianos assemelham-no ao demônio dos católicos; mas o interessante, é que o temem e respeitam (ambivalência), fazendo dele objeto de culto" (Câmara Cascudo, Dicionário do Folclore, 1954, pág. 252-253). Na Bahia, na década de 1970, um bispo católico foi duramente criticado por chefes de Terreiros, ao fazer uma alusão ao diabo, falando de Exu.

Facada - s. F. Além de furada com uma faca, essa palavra é usada com muita frequência em sentido figurado: pedido importuno de dinheiro e também prejuízo financeiro, sobretudo, quando causado por alguém em quem a gente confiou de boa fé. Essa palavra aparece em ditos: coser a facadas = esfaquear; dar uma facada = extorquir; levar uma facada = ser extorquido.

Faceiro - adj. Palavra derivada do latim fácies = face + o sufixo "eiro". Ser faceiro é ser convencido, elegante, garboso, altivo..., é ostentar-se. Usado tanto para uma pessoa que faz por onde ser notada, como para o animal, como o cavalo braiador, que, ao marchar, ergue altivamente o colo.

Facho - s. M. Esse termo substitui no sertão o que na cidade se chama farol. Pode ser um feixe de garranchos secos bem unidos que acesos, servem de archote. Na minha infância eu participei de caçadas de tatus à noite e a minha função era a de facheiro. Eu segurava o facho quando os cachorros acuavam um tatu na toca. Mas o facho era uma vara seca de marmeleiro facheada na ponta ensopada de querosene, que, aceso, durava várias horas.

Facilitar - vb. Além do sentido lógico que é tornar fácil, não dificultar uma coisa ou uma situação, essa palavra é muito usada popularmente no sentido de expor-se por imprudência ou descaso injustificável, a um perigo mais ou menos claro ou previsível. Em Roma há uma situação muito conhecida dos habitantes da cidade: o ônibus 64 da Estação Términi-Vaticano é cheio de "borseggiatori" = ladrões de bolsa. Os Romanos, vítimas de roubo nesse ônibus, não têm coragem de ir à polícia. É vergonhoso para eles fazer a denúncia, pois todos sabem do perigo.

Fado - s. M. Vem do latim fatus = fado, ordem, disposição ou encadeamento de sujeitos aos deuses, que conduzem a um destino. Os tementes a Deus acreditam que é a providência divina quem conduz os acontecimentos. Segundo Câmara Cascudo, o fado é de origem brasileira, oriunda do lundu, e, nesse caso, teria ascendência africana, sendo também ligada à nostalgia e à saudade. É um tipo de canção portuguesa muito popular, especialmente em Lisboa e Coimbra. As mais antigas informações sobre o fado são da primeira década de 1800. Manuel Antônio de Almeida fala do fado no tempo do Príncipe Dom João VI em Memórias de um Sargento de Milícias (1854/55), portanto, a partir de 1808.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.