Coluna

Contraplano: Um culto moderno

Contraplano

diego.benevides@diariodonordeste.com.br • Coluna focada no melhor do cinema brasileiro e mundial

00:00 · 21.10.2017
Obra clássica de Ismail Xavier, "Sétima Arte: Um Culto Moderno" ganha nova edição revista e ampliada

Grande acerto das Edições Sesc São Paulo ao lançar um edição revista e ampliada do livro "Sétima arte: um culto moderno", publicado originalmente em 1978 por Ismail Xavier, um dos principais teóricos do cinema brasileiro e mundial.

O autor explica nas notas do livro que a publicação não altera o texto original, preservando seu pensamento na forma como se definiu. Ismail adiciona comentários atuais necessários de acordo com a evolução do cinema e da crítica, abordando a consolidação do mesmo como forma de arte e de que maneira a estética cinematográfica se transformou em uma linguagem artística fundamentalmente moderna, muito além do que apenas diversão.

Influenciado por nomes como Paulo Emílio Salles Gomes e Antonio Candido, o autor desenvolve uma visão analítica do cinema baseada em um amplo conhecimento histórico, social e cultural do Brasil, o que transforma essa e suas outras obras em leituras obrigatórias para quem se interessa em pensar o cinema como linguagem artística.

As Boas Maneiras

Image-1-Artigo-2311532-1
Os cineastas Marco Dutra e Juliana Rojas comemoram os cinco prêmios no Festival do Rio: melhor filme de ficção, melhor atriz coadjuvante para Marjorie Estiano, prêmio da crítica e prêmio Felix (com temática LGBT). Premiado no Festival de Locarno, o suspense ainda não tem previsão de estreia nos cinemas brasileiros, mas exibições estão agendadas na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Na trama, Marjorie Estiano interpreta Ana, que contrata Clara (Isabél Zuaa), uma solitária enfermeira moradora da periferia de São Paulo, para ser babá de seu filho ainda não nascido. Conforme a gravidez vai avançando, Ana começa a apresentar comportamentos cada vez mais estranhos e sinistros hábitos noturnos que afetam diretamente Clara.

Fundo Setorial

A Ancine e o BRDE anunciaram o resultadodo PRODECINE 01/2016 do Programa Brasil de Todas as Telas. Serão investidos R$ 45 milhões, em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), em longas com destinação para as salas de exibição. São 40 projetos de 13 estados e o Distrito Federal, sendo 25 ficções, 14 documentários e uma animação. O longa "Mais Pesado que o Céu", do cearense Petrus Cariry, está na lista de contemplados.

Cineteatro São Luiz

O Cineteatro São Luiz, em Fortaleza, abre chamada para seleção de 20 curtas-metragens brasileiros produzidos no período de 2007 a 2017. Os filmes receberão cachê pelo direito de exibição em mostra específica no período de 22 a 24 de novembro de 2017. Após esse período, os curtas serão incorporados ao acervo permanente do São Luiz, que poderá dispor de novas exibições gratuitas. Cineastas podem inscrever seus filmes no site (bit.Ly/2hJwehN).

Café com Canela

Image-2-Artigo-2311532-1
Exibição Após receber os cobiçados troféus Candangos de melhor roteiro, atriz e prêmio do júri popular no 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, o longa-metragem baiano "Café com Canela" será exibido pela primeira vez em Fortaleza durante o Cine Rebuceteio, no Cinema do Dragão, segunda-feira (23), às 19h. Exemplo de um novíssimo cinema brasileiro popular que parte da narrativa tradicional para inserir novas formas de fazer e pensar cinema, a direção é assinada pelos jovens Ary Rosa e Glenda Nicácio. "Café com Canela" também está entre os 64 longas brasileiros que serão exibidos nas duas semanas da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que esse ano contará com um total de 394 filmes de diversas nacionalidades na programação.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.