Coluna

Contraplano por Diego Benevides: Nolan em pauta

Contraplano

diego.benevides@diariodonordeste.com.br • Coluna focada no melhor do cinema brasileiro e mundial

00:00 · 22.07.2017
Christopher Nolan se prepara para lançar seu novo filme de guerra, o aguardado "Dunkirk"

Destaque da semana que passou, o cineasta Christopher Nolan foi alvo de duas pautas na imprensa. A primeira foi agitada pelo The Guardian, que alçou Nolan ao "novo Kubrick" do cinema contemporâneo. As opiniões se dividiram na internet. Enquanto muitos consideram a obra de Kubrick, que realizou "Laranja Mecânica" (1971) e "O Iluminado" (1980), entre outros, está além do que Nolan tem feito no cinema comercial, os fãs mais xiitas aproveitaram para aumentar as expectativas para "Dunkirk", que estreia dia 27 de julho no Brasil.

LEIA MAIS

.Desejo e reparação

Com bons filmes no currículo, mas supersestimado pela indústria, Nolan falou ao E Mundo que a Netflix é uma moda passageira e que filme tem que ser visto no cinema. Também dividiu opiniões, visto que a plataforma digital cada vez mais conquista adeptos. Por outro lado, ele não deixa de ter certa razão - podia ter sido menos dono da verdade ao falar isso. A experiência do cinema é algo que apenas o fato de estar em uma sala de projeção pode proporcionar. Por mais filmes originais que a Netflix produza, a experiência sempre vai parecer um pouco incompleta, como se o filme pedisse por favor para sair da telinha do computador e ir para a telona, lugar de onde nunca devia ter saído.

Comissão

Image-1-Artigo-2272089-1

A edição comemorativa de 50 anos do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro anunciou a comissão responsável pela curadoria dos curtas e longas da competição. Beatriz Furtado (foto), professora do curso de Cinema e Audiovisual e da pós-graduação em Comunicação da Universidade do Ceará (UFC), integra a comissão de longas ao lado dos críticos de cinema Heitor Augusto de Sousa e Marcus Santos de Mello e de Pablo Gonçalo, professor da Universidade de Brasília (UnB). Os selecionadores dos curtas serão a pesquisadora Amaranta Emília Cesar dos Santos, o cineasta e programador Daniel Queiroz, a produtora executiva Marisa Merlo e a produtora cultural Thayse Limeira Costa. O festival acontece de 15 a 24 de setembro, na capital federal.

Ministério

De maio do ano passado para cá, o Ministério da Cultura da gestão Temer cambaleia por nomes que não se sustentam no cargo. O nome da vez é o jornalista Sérgio Sá Leitão, que tomou posse como diretor da Ancine há dois meses. Antes dele, Marcelo Calero pediu demissão após pressões de Geddel Vieira Lima, sendo substituído por Roberto Freire, que também pediria demissão em seguida. O cineasta João Batista de Andrade assumiu e desistiu um mês depois.

Música

A 14ª edição do Festival Mimo de Cinema está com inscrições abertas até o dia 4 de agosto. A programação convoca filmes que tenham a música como argumento principal de suas narrativas. A mostra faz parte do Mimo Festival, evento musical que acontece em Portugal e no Brasil, e que este ano percorrerá três cidades do País entre os meses de outubro e novembro. A mostra é aberta a produções brasileiras que não tenham entrado no circuito comercial.

De Canção em Canção

Image-2-Artigo-2272089-1

Estreia

Premiado por "A Árvore da Vida" (2011), o cineasta Terrence Malick estreia seu novo drama, "De Canção em Canção", nos cinemas brasileiros. Ao tentar extrair algo existencialista de um escopo narrativo pobre, Malick realiza um filme enfadonho mais preocupado com a estética de comercial de perfume do que com a dramaturgia. Vindo de experiências um tanto questionáveis depois de "Amor Pleno" (2012) e "Cavaleiro de Copas" (2015), o diretor se perde ao tentar tirar romantismo de situações que não inspiram paixão, com personagens desinteressantes com um contorno musical que não funciona. Cabe apreciar o ótimo elenco de peso formado por Michael Fassbender, Ryan Gosling, Natalie Portman, Rooney Mara e Cate Blanchett, que estão ótimos.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.