Literatura

As respostas que não estão lá fora

Em novo livro, a gaúcha Carol Bensimon escreve trama sobre exilado, que flui sem cair no provincianismo

00:00 · 10.02.2018 por Roberto Taddei - Folhapress
A escritora Carol Bensimon
A escritora Carol Bensimon: sua terceira incursão pelo romance, acontece cinco anos depois do elogiado "Todos nós adorávamos caubóis". Nova trama é ambientada na Califórnia, no contexto dos debates sobre a legalização da maconha

Em seu terceiro e mais ambicioso romance, a escritora gaúcha Carol Bensimon se insere numa tradição forte em outras literaturas e que tem ganhado espaço no Brasil: o romance de expatriados.

O movimento sugere uma necessidade contemporânea, a de pôr à prova uma suposta identidade brasileira para além dos enredos nacionais. Afinal, esse personagem deve conseguir ter uma experiência fora do País que não seja marcada pelo provincianismo e pelo deslumbre do contato com o diferente.

Desafios

Para a romancista, os desafios implicam não só o retratar do brasileiro no exterior mas sobretudo construir personagens de outra nacionalidade com verossimilhança.

Bensimon faz isso com sucesso ao centrar o enredo de "O clube dos jardineiros de fumaça" (2018, Companhia das Letras) no condado de Mendocino, na Califórnia, em meio a plantações ilegais de maconha e à luta pela liberação do uso da planta para fins medicinais e recreativos, um negócio de mais de U$ 20 bilhões anuais.

É lá que Arthur, um professor de Porto Alegre, vai parar depois de ser demitido da escola onde lecionava por ter sido pego em flagrante plantando pés de maconha no quintal de casa para ajudar a mãe com câncer terminal.

A experiência fracassada no Brasil mostra-se tímida perto do que o professor encontra em Mendocino.

Temas

Lá Arthur conhece gente que cultiva a erva há décadas, arruma um emprego de dichavador em uma plantação e se envolve com uma mulher recém-saída de uma relação poliamorosa fracassada.

O clube dos jardineiros de fumaça

Tudo isso enquanto ele vaga um tanto sem propósito pelas estradas do norte da Califórnia.

Entendido e subentendido

O tema central do livro de Carol Bensimon é a luta pela liberação do uso da maconha.

Depois de tantos baseados consumidos na trama, chegamos a concordar que a droga seja inofensiva -e, até mesmo, necessária.

Mas, como subtexto, aparece com força no romance a tese de que o Brasil seja um castrador de potenciais e liberdades individuais. Daí a necessidade de tentar a vida longe. Daí a expatriação.

Reflexão tímida

Arthur chega a ensaiar uma tímida reflexão a respeito das diferenças existentes entre o Sul do Brasil e norte da Califórnia: "Parece possível que a natureza tenha uma relação íntima com a organização social de um país, e por um momento ele acredita nessa ideia sem restrições, que a retidão das coníferas não é um mero pano de fundo, e que os galhos retorcidos das tipuanas brasileiras teriam levado tanto ao Carnaval quanto à maleabilidade das instituições e à corrupção endêmica".

Mas o personagem brasileiro é ainda um tipo de expatriado acanhado, que não se livra do peso de sua terra natal e, por isso, sua presença não altera significativamente o rumo das coisas.

O exterior aparece aqui ainda como refúgio. E assim as coisas se aquietam.

Fragilidade

Há porém uma fragilidade a considerar: o narrador do romance "O clube dos jardineiros de fumaça" altera constantemente os pontos de vista dos personagens em meio aos capítulos, procedimento que reforça o viés manipulador da onisciência.

É um risco que poderia ter sido evitado, sobretudo num romance de expatriado.

É difícil convencer o leitor de que uma única consciência narrativa, hoje em dia, seja capaz de se apresentar como superior à integridade de personagens com históricos e personalidades tão diversas.

Obras publicadas

Conto

Pó de parede (2008) - Não Editora

Romance

Sinuca embaixo d'água (2009) - Companhia das Letras

Todos nós adorávamos caubóis (2013) - Companhia das Letras

O clube dos jardineiros de fumaça (2018) - Companhia das Letras

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.