Curta O Gênero

'As muitas expressões da diversidade

Realizado em três equipamentos culturais da capital cearense, 7ª edição do Curta O Gênero tem como objetivo as discussões de gênero, sexualidades e feminismos

"Aquelas" e "Cuidado com o que você se acostuma" ( Fotos:HENRIQUE KARDOZO/Divulgação )
00:00 · 07.09.2018

Perspectivas mais amplas de cuidado com o outro. Uma alternativa para que pesquisadoras, artistas e realizadoras apresentem observações, manifestações e estudos pontuais sobre a riqueza de ideias, gostos, corpos e sexualidades. Investindo na proximidade entre multilinguagens, o Curta O Gênero (COG) convida à transformação social através do debate e difusão de obras audiovisuais, fotográficas, cênicas e musicais comprometidas com a denúncia das desigualdades de gênero no Brasil.

> Mais plural e sem fronteiras 

O Curta O Gênero acontece entre os dias 11 e 16 de setembro e ocupa relevantes espaços artísticos de Fortaleza. Se fazer presente nestes mapas culturais da cidade, facilita a estratégia do evento de iluminar temas como diversidade, feminismo, política e democracia. A programação visita a Caixa Cultural Fortaleza, Centro Cultural Belchior e Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC).

Em 2018, o COG atua com a temática "Política e Democracia - Revisitando conceitos e apontando alternativas a partir dos feminismos latino-americanos". A abertura acontece na terça-feira (11), às 14 h, com a realização da primeira mesa do VII Seminário Gênero Cultura e Mudança. Intitulada "Feminismos Latinoamericanos Frente ao Neoliberalismo, Conservadorismos e Colonialismos", o encontro acontece na Caixa Cultural Fortaleza.

Todas as atrações são gratuitas e os interessados em participar das atividades devem fazer o credenciamento também no dia 11, a partir das 9h. Dentro dessa perspectiva, os organizadores convocam o espírito solidário do público e pedem doações seja de um quilo de alimento não perecível, como também brinquedos livros infantis para as ONG Velaumar e a Associação Beneficente de Educação e Cultura Nossa Senhora da Conceição.

A edição 2018 acontece em um momento onde o debate político está bastante acirrado no Brasil. Atuar neste contexto, signica manter um olhar constantemente aberto para a realidade de outras nações da América Latina, argumenta Marcos Rocha, diretor da Fábrica de Imagens, organização não governamental que promove o COG.

Compromisso

Para o realizador, esta proposta se torna uma ferramenta basilar nas ações do Curta o Gênero. "Reafirma essa perspectiva de se voltar para a América Latina, voltar-se para reflexões a partir do que o feminismo tem dito em torno de política, estratégias e militância. Representa unir num só lugar a academia, produtores e artistas, permitindo pensar alternativas para esse cenário de violência e perseguição de direitos que testemunhamos", explica o organizador. Rocha detalha que essa característica de investir na pluralidade de linguagens, métodos e conceitos é uma forma de valorizar e entender que inexiste perspectiva democrática fora desse terreno.

"Queremos alentar para a diversidade. É uma peculiaridade que o Curta o Gênero tem desde o começo. Na primeira edição tivemos seminários, Mostra internacional, a exposição Contrastes. Ou seja, já tinha esse escopo e esse perfil. De lá para cá isso vem se intensificando e propomos a participação de políticas pedagógicas. Isso explica que a pesquisa não deve ficar só na Academia, ela precisa estar entre os militantes, nas ruas, nas favelas", completa. Com mais de 360 curtas inscritos, a programação da Mostra Audiovisual Internacional parece ainda mais relevante em 2018. Após o serviço de curadoria, a mostra foi organizada com um total de 52 produções, advindas de 12 estados brasileiros e outros 13 países. Diante de tamanha força dentro do campo audiovisual, dois projetos realizados sob os cuidados da Fábrica de Imagens serão apresentados, o documentário "Horizontes Incertos" sobre direitos humanos, conservadorismo e neoliberalismo e o programa de TV Gênero Plural.

Olhares

Realizado pela Fábrica de Imagens, o Curta O Gênero conta com apoio da Rede Latino-americana de Gênero e Cultura e com a produção do Ponto de Cultura Outros Olhares e do Centro de Referência em Cultura, Arte, Comunicação e Novas Tecnologias para a Promoção dos Direitos Humanos, da Equidade de Gênero e da Diversidade Sexual (Cacto). Realizado desde 2012, em seis edições, 300 obras audiovisuais já foram e exibidas.

Saiba mais

Programação de abertura do Curta o Gênero 2018

Terça-feira 11

VII Mostra Internacional Audiovisual (20h30)

(Caixa Cultural Fortaleza)

"Verde Limão", de Henrique Arruda (PE);
"Enrolado na Raiz", de Caracol (BA);
"Majur", de Rafael Irineu (MT);
"À Espera", de Nivaldo Vasconcelos e Sônia André (AL);
"Amor de Ori", de Bruna Barros (BA).

VII Seminário Gênero, Cultura e Mudança (9H)

(Caixa Cultural Fortaleza)

"Direitos Trans - avanços e desafios", com Kaio Lemos (UNILAB) e Lukresya Farias (UECE)

Mesas de debate (14h)

(Caixa Cultural Fortaleza)

"Feminismos latinoamericanos frente ao neoliberalismo, conservadorismos e colonialismos"
"Do AI-5 aos dias atuais - Meio século de movimentos de mulheres e feminismos brasileiros"

Mais informações:

Curta O Gênero 2018. De 11 a 16 de setembro, na Caixa Cultural (Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema), Centro Cultural Belchior (Rua dos Pacajus, 123, Praia de Iracema) e Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema). Gratuito. Contato: (85) 3495.1887

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.