Cursos

As direções de uma formação

Porto Iracema das Artes abre inscrições para os cursos de formação básica com o tema "Poéticas do feminino"

Escola Porto Iracema das Artes, do Instituto Dragão do Mar: novo ciclo formativo será pautado por discussões em torno do feminino ( Fotos: Joyce S. Vidal )
00:00 · 15.02.2018

Criado em 2013, o Porto Iracema das Artes surgiu como um braço formativo no Instituto Dragão do Mar (que já contava com outra iniciativa, mais técnica - a Escola de Artes e Ofícios Tomaz Pompeu Sobrinho). Ao longo desses cinco anos, já foram realizados mais de 450 cursos de formação básica e 129 projetos de formação técnica. Já passaram pela escola 8,5 mil alunos, jovens que sempre retornam ao equipamento para devolver a outros adolescentes a oportunidade de formação profissional e cidadã.

Para esse ano de comemorações a expectativa é de abrir cerca de 2,4 mil vagas; 95 dessas serão destinada ao Programa de Formação Básica da Escola, para os cursos de Artes Cênicas e Artes Visuais, que atendem os cursos de teatro e de fotografia. As inscrições estão abertas até o dia 19 de fevereiro, sendo realizadas pelo site da escola, gratuitamente. O público alvo são jovens, a partir de 16 anos, com pelo menos o ensino fundamental completo.

Cada curso contará com duas etapas de seleção. Estas fases acontecerão entre os meses de março e julho de 2018.

Debates

Durante todo o ano letivo, a escola explora um tema, escolhido entre assuntos que estão em amplo debate. Para os cursos deste ano letivo, o tema escolhido foi "Poéticas do feminino". Em 2016, as "Narrativas" tiveram destaque e, em 2017, foi a vez das "Utopias".

"Alguns temas são colocados em debate no Porto Iracema através de palestras e outros precisam de um aprofundamento e de uma certa urgência. No final de 2017, questões sobre assédios sexual e moral, sofridos pelas mulheres, surgiram de forma muito visível", contextualiza Bete Jaguaribe, diretora da Escola.

Programação

Desde janeiro o Porto Iracema das Artes vem ofertando oficinas, como a de criação literária, e já iniciou o curso de audiovisual. "Desde de 2013 as experiências vividas pelos alunos e as sugestões deles passam pela gente. Isso nos ajuda a aperfeiçoar cada vez mais os cursos", comenta Edilberto Mendes, coordenador do Programa de Formação Básico da escola.

O curso de Artes Cênicas caminha em dois percursos diferentes. Um deles trabalha com Práticas do Ator, em que os alunos terão um contato inicial com o fazer teatral. Ministrados por Jéssica Teixeira e Joyce Custódio, a formação acontece de 12 de março ao dia 29 de junho, de 9h às 12h, sempre às segundas, quartas e sextas-feiras.

O segundo percurso do curso de Artes Cênica é o Teatro Épico, que trabalhará a teoria e a prática do teatro épico seguindo os autores Friedrich Dürrenmatt e Max Frish. O curso acontece das 14h às 18h, do dia 13 de março ao dia três de julho, nas terças e quintas. O curso será ministrado pelo coletivo Teatro Máquina.

No quesito Artes Visuais acontece dois cursos, o de Artes Gráficas e de Fotografia Digital. O primeiro trabalha com desenho, pintura, desenho digital e pintura digital.

O curso fotografia digital é composto de quatro módulos: fotografia básica, edição em fotografia, linguagem fotográfica e edição e tratamento de imagem. Os cursos acontecem entre os dias 20 de março a 29 de junho, de segunda a sexta-feira, sendo o curso de fotografia realizado pela manhã e o de artes gráficas pela tarde.

Relevância social

"As temáticas escolhidas pelo equipamento cultural visão criar um espaço de depoimentos para pessoas comuns, fazendo com que elas possam encontrar e construir um lugar de fala, de garantir esse lugar da fala", ressalta a diretora Bete Jaguaribe. Ano passado as turmas teatrais produziram o espetáculo "Além Aquém Daqui", sob a direção de Maria Vitória, e indaga sobre a utopia vivida pelo Brasil nos dias atuais e traz os papeis femininos dentro da sociedade, já dando dicas do tema que seria debatido pelo equipamento cultural em 2018.

"No nosso percurso, a gente dialogou com diversos públicos e ter respostas diferentes. Quando a gente fala da mulher na posição de louca, e questionando o que seria essa loucura, faz com que o espetáculo vá para diversos espaços, dialogar com muitas mulheres e ter um feedback dessas reflexões", comenta Lucas Limeira, aluno da turma de 2017 do curso de artes cênicas.

"O que nos interessa é jogar o olhar sobre questões que a mulher comum enfrenta, a mulher da periferia que é vítima de violência e não consegue denunciar", pontua a diretora.

Projeto

Todos os cursos, ao final do ano, realizam atividades que servem como uma forma dos alunos colocarem em prática o que aprenderam e a ofertarem uma atividade para o público, um retorno para a sociedade.

No curso de audiovisual, há uma produção de um curta, nos cursos de fotografias acontecem exposições. Na área das formações cênicas um espetáculo é montado ao final do curso.

Essas atividades complementares surgiram em 2015. "Isso foi debatido e era uma solicitação dos alunos. Em 2014 a gente percebeu que havia uma demanda por duas coisas: primeiro por continuidade e segundo, que a gente percebeu, era que os alunos se engajavam bastante no processo criativo artístico", explica Edilberto Mendes.

"O Preamar, nome do programa dos módulos práticos dos cursos, faz referência ao período em que a maré do mar está mais intensa, uma metáfora, uma poesia que a gente faz relacionando aos nossos formativos", finaliza Mendes.

"Quando a gente é convidado, no segundo semestre, para fazer o Preamar já temos essa bagagem do que o curso nos ensinou. É como se fosse um quarto módulo. Eu acho que é uma contrapartida super interessante porque a gente pode levar a comunidade, as pessoas que a gente conhece. A gente sai de lá com um espetáculo pronto, para levar a qualquer lugar", comenta Lucas Limeira.

Legado

O público prioritário são os jovens, mas o equipamento acaba atendendo todas as idades. "A discussão de temas atuais é fundamental, por contribuir para a formação de novos homens e mulheres", alerta a diretora do equipamento.

"A gente entende que esse espaço é muito importante para os jovens e os artistas. Eles vêm e sempre retornam. O Porto Iracema é um lugar de encontro permanente, o que é muito importante, porque forma um grupo de pensamento permanente na escola", complementa Bete.

"Os alunos da escola, após os cursos formam grupos para fazer projetos de espetáculos e muitos deles criam coletivos para propagar o que aprenderam", afirma Edilberto. É o caso de Lucas, que com alguns colegas de sua turma, formou o Coletivo Grão. "Nós indiretamente fomos indo pela linha de estudar o corpo político. Começamos com o feminino, no 'Além Aquém Daqui' e estamos estudando outros corpos agora", finaliza o ator ao comentar sobre o futuro do coletivo.

Mais informações:

Inscrições para os Cursos Básicos de Artes Visuais e Artes Cênicas 2018. De 9 a 19 de fevereiro, inscrições pelo site da escola (www.portoiracemadasartes.org.br). Escola Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema). Gratuito. Contato: (85) 3219.5865

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.