Festival

Artes cênicas na serra

Festival Nordestino de Teatro (FNT) completa 25 anos, com edição comemorativa que tem início dia 1º e segue até 8 de setembro, em Guaramiranga

00:00 · 31.08.2018 por Roberta Souza - Repórter
Image-0-Artigo-2446334-1
Espetáculo "Nossos Mortos", do Teatro Máquina (ao lado) e show da banda Criolina (acima) integram a Mostra Nordeste ( Fotos: luiz alvez/Div. )
Image-1-Artigo-2446334-1

Numa cidade serrana do interior do Ceará, com cerca de 7 mil habitantes e sem tantos grupos de teatro, a realização de um festival com foco nessa linguagem artística sob o viés de uma produção que não é "de massa" desafia o questionamento de "como fazer" há exatos 25 anos. Atravessado por todas as provocações possíveis - que vão da dificuldade em captar dinheiro até a falta de uma caixa cênica em boas condições de uso e com capacidade para receber espetáculos maiores - o Festival Nordestino de Teatro (FNT) metamorfoseia-se a cada ano no intuito de dar continuidade ao sonho. Em 2018, com edição comemorativa que acontece de 1º a 8 de setembro, em Guaramiranga, não será diferente.

Que o diga a coordenadora geral do FNT, Nilde Ferreira, que está presente nesse processo desde o comecinho, quando a Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA) ganhou da prefeitura a responsabilidade de organizar o evento. "25 anos para um festival exige um ritmo muito grande, porque a arte nunca é a mesma, as estruturas e plataformas onde ela se realiza não podem ser as mesmas", analisa.

Leia também:

> Artes cênicas na serra

Sintonizada com essas transformações, a equipe curatorial desta edição fez sua aposta nas "artes da cena", reunindo a diversidade e o hibridismo do teatro, da dança, do circo e da música numa só programação. "Guaramiranga está sempre olhando pra frente. As artes da cena vivem hoje esse momento híbrido e nada melhor do que provocar essa reflexão no projeto de curadoria do festival", pontua o curador Paulo Feitosa, que também é gestor da Rede Brasileira de Festivais de Artes Cênicas.

Apontamentos

"Que momento vive, que produção está fazendo e como podemos reverenciar esse nordeste?", questiona Paulo. Para responder isso, ele contou com o auxílio de uma equipe de curadores convidados a contribuir com sugestões para cada linguagem: Isabel Toledo (circo), Felipe Assis (teatro), Pedro Vilela (teatro), Gabriel Murilo (música) e Cristina Castro (dança).

A postura da curadoria sinalizou uma mudança em relação a outras edições, em que a Mostra Nordeste funcionava sob efeito de convocatória. A presença de representantes dos nove estados da região foi a principal conquista desse modelo que, segundo Paulo, foi escolhido somente para esse momento de comemoração.

"Um dos grandes diferencias do FNT ao longo dos 25 anos foi exatamente não parar numa mesma linha de curadoria. A cada ano ele convida curadores de lugares e olhares distintos das artes cênicas, todo ano se renova, se reconfigura", observa Paulo, em diálogo com a ideia de metamorfose.

Desafios

Com um orçamento de R$ 600 mil, mas com apenas R$ 400 mil captados, o FNT, como toda ação cultural no país, prossegue se desdobrando para acontecer. "Os artistas cedem, negociamos apoios. De forma colaborativa, nesse costume do interior, o pessoal daqui aprende desde a escola às festas de igreja a fazer tudo junto e com o que tem. É esse o espírito do festival", observa Nilde Ferreira.

O Teatro Municipal Rachel de Queiroz, interditado desde 2011 para reforma, mais uma vez não será palco das apresentações, que acontecerão nas ruas, escolas e caixas cênicas improvisadas. No entanto, a primeira parte da reforma do equipamento vai ser anunciada na abertura do FNT. "A prefeitura e o atual governo resolveram algumas questões de inadimplência que impediam o município de receber o recurso e foi iniciada uma parceria sólida com o Governo do Estado. Já aprovamos a verba de R$ 500 mil pelo Edital Mecenas e a obra vai começar a ser executada em setembro", adianta Nilde.

Ainda sem previsão de abrir, o espaço reformado será uma conquista para o FNT, que se projeta para o futuro pensando em acessibilidade e sustentabilidade. A programação desta edição contará com debates nesse sentido. "Esse é um momento de conversar, como em todo aniversário, quando a gente para e olha pra vida pra saber o que fazer a partir de agora", finaliza a coordenadora do evento.

Mais informações:

25ª edição do Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga: De 01 a 08 de setembro de 2018 em Guaramiranga, Ceará. Informações: (85) 3321-1405, fnt@agua.Art.Br, fnt.Agua.Art.Br. Facebook e Instagram: fntguaramiranga. Gratuito.

arte

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.