Arte Cearense

00:00 · 25.05.2014
Image-0-Artigo-1616855-1
Pintura de Audifax Rios

Sem Título

O artista plástico Audifax Rios dedica-se, assim, à pintura. É, também, capista, ilustrador e cenógrafo. Na literatura, cultiva a crônica, o conto e o romance - neste gênero, revela uma predileção pelo sobrenatural, com grande força imaginativa e domínio da escritura

Uma folha seca

Uma folha errante desprendida

Do talo posto que brotou um dia

Vagueia na lona despercebida

Que lhe tange a viração vadia

Segue a esmo a folha seca errante

Mistura-se da estrada ao pó

Ide à mercê do tempo a viandante

Na estrada fria se acha agora só

Adormece na vala nua e crua

Vira pó na poeira da rua

Pelas mãos do vento a lhe levar

Não volta jamais ao galho verde

Ressecada ao vento perde

A cor e desaparece no ar

A nau e o farol

O brilho do farol acende

A luz na cor do pensamento

Guia que ao navegante atende

O rastro a seguir no firmamento

O brilho do farol acende o céu

Ao leme a esperança segura

A mão do nauta sob o véu

Na imensidão o mar figura

Senhor absoluto és ó mar

Na maciez da água a deslizar

A nau pequena no deserto

Deserto de águas turvas

Qual estrada infinita sem curvas

A seguir para ponto incerto

Domina-me

Domina-me em teus braços

Saqueia-me com teu coração

Aperta entre nós os laços

Que unem as cordas da paixão

Eleva-me ao teu pensamento

Corrompe-me no calor do corpo

Faz-me fulgente por momento

Na corrente de um dado posto

Dominado por ti serei guiado

Na correnteza do coração irrigado

Que palpita no peito sombrio

Acende a chama por derradeira

Da paixão que vem por brincadeira

Aquecer o corpo em leito frio

Um olhar um encanto

Um olhar no espaço vazio

Uma seta no peito certeira

Acende a chama em tempo sombrio

No afã da paixão derradeira

No ocaso a esperança à vista

Sob o mormaço agoniza o dia

O calor no peito conquista

O gosto do amor que reinicia

Um olhar se fez menina

Ao fim da tarde num instante

Reduz a razão que se elimina

Brota do fundo d'alma a paixão

Sopro que a natureza errante

Por encanto anima o coração

Sobre o autor

Professor-Doutor do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFC. Poeta e ensaísta

Sonetos de Francisco Ari de Andrade

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.