Brian Cox e Hiam Abbass

Amor, ódio e disputa em família

Protagonistas da nova série da HBO, "Succession", Brian Cox e Hiam Abbass falam sobre seus personagens

00:00 · 22.06.2018
Brian Cox e Hiam Abbass como seus respectivos personagens, o patriarca e magnata Logan Roy e sua terceira esposa, Marcia Roy. No alto da página, elenco central com Logan e seus quatro filhos, que disputam a sucessão nos negócios

Uma família disfuncional com patriarca de saúde frágil e herdeiros em disputa pelo comando e o poder a ele atrelado. O enredo não é inédito - na verdade, de tão comum constitui um arquétipo para construção de narrativas. Mas a qualidade das atuações, da produção e da elaboração dos personagens (dentro de um universo extremamente machista e violento simbolicamente) tornam "Succession" uma aposta de potencial da HBO.

Na história, a família Roy - centrada em Logan Roy e seus quatro filhos: Shiv, Roman, Kendall e Connor - comanda um império da mídia norte-americana. À medida que o pai começa a dar sinais de se afastar do comando das empresas, a prole inicia uma verdadeira rinha para garantir a sucessão.

Em entrevista, Brian Cox e Hiam Abbass, que interpretam Logan e sua ex-esposa Marcia Roy, respectivamente, conversam sobre seus personagens.

O que os atraiu para seus papéis?

Brian: Bom, Jesse (Armstrong) e Adam (McKay, cocriadores da série) me apresentaram a ideia e pensei: preciso fazer isso. Aí me dei conta, claro, que é um tipo de história absolutamente clássica. Homem entregando seu império, sabe, é Rei Lear. Há tantos elementos disso. Jesse é realmente extraordinário, um excelente escritor. Tão aberto, e ele vem de um background de comédia - "Peep Show", "Mitchell and Webb", "The Thick of It". E desenvolveu seu trabalho a partir disso, até essa série tão surpreendente

Hiam: Conhecia apenas parte do elenco, mas fiquei impressionada quando soube que Brian fazia parte. Nunca fiz TV de fato antes, apenas pequenos trabalhos. E estava muito animada com a ideia.

Brian: Jesse simplesmente vendeu a ideia para mim. Ele tem esse maravilhoso tipo de sensibilidade britânica, e aí temos esse cara realmente americano em Adam McKay, um cara que era roteirista do SNL (o programa Saturday Night Live) e começou o Upright Citizens Brigad (grupo de comédia de improviso)

Hiam: Sim, e ele é bem político.

Logan é um homem que se fez sozinho - ele não nasceu com dinheiro. A quem você o relacionou quando o estava construindo?

Brian: não o relacionei a ninguém, na verdade. Você não precisa ir além do roteiro, não precisa pesquisar o personagem, porque ele está todo lá. E também é sobre uma espécie de pensamento paralelo, Jesse e eu somos bem socialistas, então temos pensamento semelhante. Politicamente, estamos no mesmo time. E a ideia do autodidata, do homem que construiu a si próprio também exacerba a ideia de disfunção - há a pergunta de como qualquer pessoa atinge o sucesso e o que acontece às crianças nesse processo de atingir o sucesso? Elas se acostumam a determinada porque não sofreram. Também olhei para minha própria família, para o fato de que, no meu primeiro casamento, tive meus filhos e eles viram minha luta como ator. E nós tínhamos inquilinos, meus filhos conheciam gente nova todo dia e diziam 'quem é esse?', e eu respondia 'ele é da China', 'é do Japão, e hoje vai fazer tempurá para nós, não é divertido?'. Isso era nosso meio de sobrevivência, porque eu não ganhava muito dinheiro. Com minha segunda família sou mais bem-sucedido, moro aqui em Nova York, tenho uma casa adorável, uma linda esposa, a coisa toda. Há paralelos aí, porque agora tenho filhos que não entendem minha jornada. E por que deveriam entender? Rupert Murdoch (magnata da comunicação nos EUA) já estava muito bem de vida no começo (da carreira). Ele vinha de uma família bem-sucedida. Mas isso não aconteceu aqui, esse não é o Logan. Logan é mais como Cidadão Kane, ele começa do zero. E seus filhos claramente não estão prontos. E aí você volta para essa base clássica.

O que você sabe sobre Marcia (terceira esposa de Logan)? Quem ela é?

Hiam: Shiv Roy (única filha de Logan) tenta descobrir coisas sobre ela, e isso dá pistas sobre quem é essa mulher e quais suas motivações. Mas isso a irrita. Acho que Marcia é uma mulher muito esperta e forte, que genuinamente ama Logan. Ela respeita os filhos dele, porque são jovens. Ela os ama do jeito dela, sabendo como são diferentes uns dos outros. Sabe como lidar com cada um. Mas ao mesmo tempo ela deixa claro: não fique no meu caminho. Ela está lá para servir à família, e ama fazer isso. Ela às vezes organiza coisas para toda a família, e é a pessoa que organiza a terapia. Mas vem de um passado pesado, que está para ser descoberto.

Vocês acham que é mais difícil para pessoas que vivem nesse nível de riqueza e poder manter um casamento? Ter algumas ex-esposas não é raro nesse contexto. Por que será?

Brian: Bom, não acho que seja raro em nenhum contexto. Eu tive duas esposas, vivi com várias mulheres por vários anos. Não acho que seja uma coisa particular do sucesso ou poder. Acho que via ficando difícil, em determinado sentido, por causa dos interesses envolvidos. E certamente acho que é um tipo de coincidência que Rupert Murdoch tenha três esposas. No caso do Logan, sua primeira esposa, acho, morreu. Sua segunda esposa era inglesa, da alta classe. Acho que com Marcia há mais cautela.

Hiam: Também não acho que seja algo que pertença ao dinheiro. Estamos no século 21, não no início do século 20, quando divórcio era uma grande coisa. Acho que com a modernização da sociedade essas coisas estão acontecendo mais facilmente entre casais. Você se casa, ou não - não é a única maneira de ter filhos. Mas talvez seja mais fácil se divorciar quando você é rico. Me casei duas vezes, me divorciei duas vezes, e estou com um terceiro arranjo familiar, sem casamento. No caso de Marcia e Logan, não acho que tenha sido algo relacionado a sucesso. Nunca foi algo necessariamente ligado ao dinheiro dele. Acho que foi a natureza do próprio relacionamento e seu desenvolvimento, ao longo dos anos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.