Ensaio

A peça Otto Lara Resende ou Bonitinha, mas ordinária

00:00 · 08.11.2013
Nelson Rodrigues conta que a ideia e o título da peça surgiram de seu fascínio por frases que carregam uma marca

Uma marca que traduz toda uma concepção sobre determinado tema em poucas palavras, tendo um enorme desejo de criar uma peça cujo título fosse uma frase. A frase que ele atribui ao seu amigo Otto Lara Resende "O mineiro só é solidário no câncer" lhe surgiu ao acaso.

A gênese

Uma vez viajando para Belo Horizonte para resolver algumas questões sobre as apresentações de suas peças, Nelson acaba encontrando Otto e pega uma carona com ele. Durante o percurso, em um surto de inspiração, Otto olha para Nelson e diz: "O mineiro só é solidário no câncer" uma frase que continha mais sociologia do que as 600 páginas de Os Sertões de Euclides da Cunha , segundo Nelson Rodrigues, e foi com ela que ele cria Otto Lara Resende ou Bonitinha, mas Ordinária.

O enredo

A peça gira em torno da frase "O mineiro só é solidário no câncer.", onde perdura a crença de que o homem é um lobo do próprio homem e a bondade só é apenas a exceção. Esse é o dilema que envolve Edgard, um empregado honesto que recebe a proposta de Peixoto para se casar com Maria Cecília, filha do poderoso empresário Heitor Werneck, para encobrir perante a sociedade carioca, o seu estupro por cinco negros. Diante disso, Edgard aceita conhecer a pretendente, sendo tratado de forma humilhante pelo Doutor Werneck, que vê o casamento como mera transação financeira, dando-lhe um cheque para selar o acordo. Com esse cheque de vultoso valor em mãos, Edgar começa a perceber que a frase do Otto é o câncer da sociedade, se aceitá-lo, estará condenado, se não, ele poderá se salvar.

As posturas

A sua mãe quer que ele aceite a proposta de qualquer jeito, sem se importar com as consequências, em vez de apoia, sem reservas, o filho na sua decisão.

A sua vizinha, Ritinha, é a única pessoa que ele tem de fato um interesse amoroso, que é abalado quando ela se revela prostituta para sustentar as três irmãs e sua mãe louca e para pagar uma dívida de um processo injusto.

O epílogo

Isso tudo faz o julgamento de Edgard pender entre aceitar o acordo, principalmente, por acreditar na pureza de Maria Cecília, mas, durante a trama, aparecem indícios que revelam a sua real natureza, como os constantes telefonemas de um misterioso Cavalão Depois dos acontecimentos da festa do doutor Werneck, que pagou pelo estupro assistido das irmãs de Ritinha, Edgard fica resolve em aceitar a proposta, mas é salvo da armadilha pela intervenção inesperada de Peixoto, revelando-lhe toda a verdade, que não aconteceu um estupro, e sim uma orgia no qual Ana Cecília forçou Peixoto, apelidado por ela de Cavalão, a assistir. Cansado de viver de forma tão torpe e sabendo que não haveria mais salvação, Peixoto mata seu amor, Ana Cecília, e comete suicídio.

Ao final da trama, Edgard fica com Ritinha, fazendo uma promessa de ficarem unidos, mesmo que tomem água da vala, o seu amor nunca se deixaria corromper pelo mundo. Ao rasgar o cheque do doutor Werneck, a frase de Otto morria junto.

FIQUE POR DENTRO

Notas sobre a frase que é o câncer

"O Mineiro só é solidário no câncer." Vista de forma seca e pura, é apenas como uma generalização. Ela evoca uma ideia maior, um conceito universal, quando Edgard diz que "Não é bem o mineiro, é o ser humano.". E esse ser humano é tentado a seguir um caminho mais fácil, de ceder à tentação, de perder a sua dignidade, que a ética não é necessária, que em um mundo tão desprovido de compaixão. Essa frase é repetida 18 vezes, para deixar essa concepção angustiar a plateia, compreendendo o dilema de Edgard. Neste mundo, onde a frase do Otto impera como lei, quem tenta ser honesto acaba de forma miserável, como o pai de Edgard, enterrado pelos vizinhos

ANTONIO LUCIANO BONFIM
Colaborador*

*Ensaísta

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.