A gula marrom - Caderno 3 - Diário do Nordeste

COMER E BEBER

A gula marrom

08.05.2009

Com casquinha crocante e massa quase cremosa, o brownie saiu das cozinhas norte-americanas para as mesas do mundo. De formato achatado e com maior concentração de cacau, o quitute prova que tamanho não é documento

A confeitaria é um ramo bastante exato da culinária - alguns gramas a mais ou a menos de determinado ingrediente, ou sua substituição, podem arruinar uma receita. Isso não impede, porém, que novas maneiras de preparar sejam testadas, resultando em pratos deliciosos. É o caso de certo bolinho achatado e escuro, com crosta leve e crocante, mas voluptuosamente úmido por dentro. Ícone da cozinha estadunidense, o brownie popularizou-se e hoje faz parte de qualquer menu de sobremesas.

A hipótese mais divertida atribui a origem do brownie a uma cozinheira norte-americana avoada, que teria esquecido de pôr fermento na massa. Com um bolo solado nas mãos e visitas em casa, restou cortá-lo em quadrados e servi-lo assim mesmo. Mas a primeira menção documentada do bolinho, tal qual o conhecemos hoje, aparece em 1906, na nova edição da enciclopédia Larousse Gastronomique. A receita indicava uma porcentagem maior de chocolate em relação aos bolos tradicionais - outra característica fundamental do brownie.

Não por acaso, ele é popular entre muitos “cozinheiros de fim de semana”. Relativamente simples, a receita do brownie tradicional leva apenas açúcar, cacau, manteiga, farinha e ovos. Essa base quase neutra permite incrementações de todo o tipo, com adição de café, licor, castanhas, geléias e outros ingredientes.

Tamanha variedade, no entanto, requer ainda mais atenção na hora de observar alguns cuidados. Um deles, talvez o mais fundamental, diz respeito ao tempo de cozimento, que precisa ser suficiente para assar o brownie por fora mas deixá-lo cremoso por dentro. Isso depende, obviamente, do tamanho da fôrma e da temperatura do forno. Qualquer desvio para mais ou para menos dessa delicada equação resulta em bolinhos queimado ou crus.

Profissional

Nada, porém, que não se aprenda com a experiência. Foi assim, por exemplo, que a empresária Mila Ary chegou ao posto de proprietária da Browneria, primeira loja especializada no quitute em Fortaleza. Cravado em um cantinho do corredor gastronômico da Varjota, o local é excelente opção para aquela parada rápida na hora do lanche.

Devido à grande quantidade de encomendas para o Dia das Mães, quando o Comer & Beber visitou a Browneria, a cozinha estava a pleno vapor. O cheiro de chocolate inebriava qualquer visitante que cruzasse a porta - um aroma denso e adocicado, que chegaria a dar arrepios nos mais chocólatras. “A cada data comemorativa a equipe se surpreende com a quantidade de pedidos. É um sinal de que as coisas estão dando certo”, observa Mila, com um sorriso no rosto.

A trajetória da jovem doceira, de apenas 21 anos, aconteceu relativamente rápido. Acostumada a atender pedidos de amigos e família, começou a fornecer brownies para estabelecimentos comerciais e restaurantes. A demanda foi tanta que Mila precisou montar uma cozinha industrial.

Um ano depois, abriu a própria loja. “As pessoas diziam que não ia dar certo vender apenas brownies, que eu deveria abrir uma doceria. Mas fui em frente, até porque não sou uma cozinheira, sei fazer brownies”, brinca.

A teimosia rendeu bons frutos - ou melhor, brownies. São hoje oito sabores do bolinho: tradicional, brigadeiro (o mais pedido, de sabor bem doce), brigadeiro meio-amargo, doce de leite, marshmallow, raspas de chocolate, crocante e nutela. Todas com preço acessível (R$ 2,50 a unidade). Há também o sorvete de brownie (sorvete de creme caseiro com um pedaço de brownie de brigadeiro dentro), bolo de brownie e o brownie no pirex. “Estamos sempre buscando novas receitas, estou testando um brownie de café e outro de mousse. Agora começamos a fazer também o bem-casado, porque muita gente pede pra casamento”.

Mas na opinião do C&B, nenhuma das opções acima supera a combinação entre um brownie quentinho e crocante com sorvete de creme e calda de chocolate - graças ao contraste imbatível de texturas e temperaturas. Na Browneria, o dueto sai por R$ 6. Outro destaque nesse quesito em Fortaleza é o brownie com sorvete da Cachaçaria Ypioca (R$ 10). A receita leva castanha de caju e cachaça, o que confere um sabor amarguinho na medida. Aproveite para levar a mamãe neste domingo. Ou faça a receita aí ao lado pra ela.

Mais informações:

Browneria
R. Ana Bilhar, 1136, Varjota. Fone: 3242.8256.
Cachaçaria Ypióca
Av. Washington Soares, 85, Edson Queiroz - Shopping Iguatemi. Fone: 3241.4589.


ADRIANA MARTINS
Repórter

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999