Mostra

A dramaturgia dos sonhos

00:00 · 07.10.2017
Image-0-Artigo-2307007-1
Cinema do Dragão exibe longa-metragem documental do cineasta mineiro Marcos Pimentel, na programação da Mostra Cinema e Resistência

O cineasta mineiro Marcos Pimentel entende que o poder da imagem de trazer sensações e revelar conflitos é algo muito rico a ser explorado em uma obra audiovisual. É por meio de seus planos delicadamente orquestrados que conhecemos a vida de seus personagens, permitindo também que o público viva, ao lado de cada um, suas próprias histórias.

Representante de uma produção mineira inquieta e preocupada com os modos de fazer cinema no Brasil, Pimentel é um cineasta que constrói pequenas pérolas que dignificam a alma de quem as assiste.

Essa sensibilidade é marca recorrente em seus trabalhos, como no curta-metragem premiado "Sanã" (2014), onde acompanhamos a vida de um menino albino no meio das areias desérticas de um Brasil silencioso.

Já no longa-metragem "A Parte do Mundo que nos Pertence", Pimentel pede licença para entrar nas casas de nove personagens a fim de registrar um cotidiano banal. O que amarra todas as histórias é um argumento simples: conhecer os sonhos de cada um.

A obra, que integra a programação da Mostra Cinema e Resistência, no Cinema do Dragão, parte da simplicidade da observação e do respeito com cada personagem. Pimentel se abre às possibilidades de encenação a partir daquelas rotinas.

Um senhor espera a passagem dos dias para se encontrar com seus pares de dança; uma jovem com síndrome de down sonha em ser bailarina; uma mulher se prepara para entrar no vestido de noiva. São personagens anônimos com vidas triviais, mas cujos sonhos são o combustível para suas existências. Pimentel também faz um jogo interessante com os personagens. Ao mesmo tempo em que mantém a distância do olhar e deixa que eles ocupem os espaços onde a câmera pode ir, o cineasta também estimula cada um a obter as imagens que deseja. E isso sem cair na artificialidade da rotina.

Tudo ali é plausível e ordinário, entrelaçado de maneira quase cirúrgica pelo olhar sensível de Pimentel. A montagem não deixa de ser essencial para a imersão nessas histórias, e não se priva de reconhecer que uns personagens são mais importantes que outros, o que implica no tempo de cena de cada um.

"A Parte do Mundo que nos Pertence" é um filme para ser sentido e que pede o envolvimento da plateia com aquelas histórias. Afinal, elas estão ali por algum motivo especial. Nada é tão banal assim nas rotinas mostradas, em cada gesto e no que está velado pelo silêncio.

Às vezes parece que somos capazes de ler o que se passa na cabeça dos personagens, a partir dos contextos em que estão inseridos. Sem querer passar uma imagem romântica demais da busca pelos sonhos, o filme também questiona o que nos move como plateia.

O documentário será exibido ao lado do curta ficcional "Os Cuidados que se Tem com o Cuidado que os Outros Devem Ter Consigo Mesmos", do sempre competente Gustavo Vinagre - que, de certa forma, também fala sobre o futuro de um grupo de amigos, em um apartamento, tentando compreender o que acontece lá fora.

Seja no gênero documentário ou na ficção, ainda é bonito ver como o cinema é capaz de nos tocar por meio da representação de histórias tão próximas a nós. 

Mais informações:

"A Parte do Mundo que nos Pertence", na Mostra Cinema e Resistência. Terça (10), às 19h30, no Cinema do Dragão (R. Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema). Gratuito. Contato: (85) 3488.8600

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.